artigos
Convibra Conference - Proteção intelectual e inovação no setor agropecuário
Proteção intelectual e inovação no setor agropecuário

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Agronegócios

Acessos neste artigo: 20


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Adriana Carvalho Pinto Vieira , Roberto Giolo De Almeida , Fabiana Villa Alves

ABSTRACT
Vários produtos agropecuários brasileiros possuem vantagens competitivas de grande apelo comercial, como a sustentabilidade de seus sistemas de produção e eficiência do ponto de vista de uso de recursos naturais, pouco exploradas em suas relações internacionais. Este capítulo busca identificar como a indução tecnológica é capaz de criar oportunidades para produtos sustentáveis do tipo “eco-friendly” e “climate smarts”, bem como gerar inovações para o agronegócio brasileiro. Neste, toma-se como exemplo a “Plataforma Pecuária Baixo Carbono Certificada”, desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que reúne marcas-conceito embasadas em ciência (science-based), e cujo cerne está ancorado no sistema de propriedade intelectual. De fato, em 2015, apoiada nas mudanças na relação de consumo de sociedades cada vez mais exigentes e em uma agenda nacional de desenvolvimento centrada na sustentabilidade, a Embrapa cria a primeira marca-conceito da referida Plataforma, denominada “Carne Carbono Neutro”, considerada uma inovação disruptiva no setor agropecuário nacional e internacional.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Silvia Cristina Vieira Gomes 09-02-2021 12:50:35

A Figura 1, deveria ser nomeada como Quadro 1, pela forma (emoldurada)

Foto do Usuário Silvia Cristina Vieira Gomes 09-02-2021 12:50:35

A Figura 1, deveria ser nomeada como Quadro 1, pela forma (emoldurada)

Foto do Usuário Vitória Aparecida Cardoso 09-02-2021 12:50:35

Texto muito bem escrito e bem fundamentado, com dados recentes do último Censo Agropecuário, o que fortalece toda a análise desenvolvida no artigo. Se os autores acharem cabível, talvez seja interessante apontar qual tipo de produtor provavelmente teria maior facilidade em adotar tal selo (produtores mais ou menos capitalizados). Diante dos interessantes resultados, os autores acreditam que adoção dessa inovação seria uma forma de diferenciação da produção e agregação de valor?

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.