SHARING ECONOMY: UM ESTUDO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM O CONSUMO COMPARTILHADO NO BRASIL

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Marketing

Temas Correlatos: Marketing;

Acessos neste artigo: 63


Certificado de participação:
Certificado de César Henrique Souza Lima
Certificado de Bianca De Jesus Rabelo

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Bianca De Jesus Rabelo , César Henrique Souza Lima

ABSTRACT
O consumo compartilhado possibilitou a partilha de produtos e serviços entre pessoas desconhecidas, sendo visualizado como uma alternativa atrativa para muitos consumidores. Analisando as motivações dos consumidores e o contexto em que as trocas são realizadas objetivou-se identificar os fatores que levam as pessoas a participarem desse consumo. Para tanto, foi realizada uma pesquisa por meio de um questionário eletrônico, com 597 respondentes. Para análise dos resultados, utilizou-se a técnica de Modelagem de Equaçôes Estruturais, com o método de Estimação dos Mínimos Quadrados Parciais. Os resultados indicaram que a atitude ao consumo exerce influência positiva sobre a intenção de consumo compartilhado, e que o tipo de consumo escolhido (contato ou não contato) não interfere nessa relação. Os resultados também demonstraram que a atitude ao consumo exerce efeito mediador da relação entre a intenção de consumo e os construtos: benefícios econômicos, prazer, prontidão à  tecnologia e qualidade percebida.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 04-12-2023 14:43:02

Rabelo e Lima (2023), trabalho bem redigido e bem conduzido. Fundamentação teórica coerente e condizente com a literatura científica da temática, e com a realidade observado no mercado. Referências diversificadas, entre clássicas e mais atualizadas. Bem selecionada. Pesquisa denominada quantitativa, mas foi qualitativa, com aplicação de questionário estruturado por meio eletrônico; com resultados e conclusões relevantes. Utilizou amostragem não probabilística por acessibilidade, em razão de a população alvo ser desconhecida. Relembrando, uma pesquisa é caracterizada como quantitativa quando são empregadas técnicas estatísticas próprias da Estatística Probabilistica Inferencial. Probabilística porque? Porque seguem critérios de seleção da amostra e procedimentos técnicos bem rigorosos, diferentes da Estatística Descritiva, ou mesmo quando se usa amostragem não probabilística, tal como vocês usaram. Inferencial porque? Porque as análises estatística inferenciais, tais como a Análise Correlacional, a Análise de Sensibilidade, a Análise Fatorial, a Análise de Regressão, etc., permitem não apenas cacaterizar uma população, mas também correlacionar as suas variáveis, compreender suas causas, projetar seus comportamentos futuros, etc., produzindo inferências. Um trabalho que utiliza a Análise de Correlação e também a considera pesquisa quantitativa é o de Oliveira et al (2022), publicado na Revista de Engenharia e Tecnologia. Fonte: https://revistas.uepg.br/.../article/view/19895/209209216416 . Mas foi considerada pesquisa quantitativa porque além de inferencial, também usou amostragem probabilística. Parabéns aos participantes dessa pesquisa!!! Uma pesquisa é caracterizada como quantitativa quando são empregadas técnicas estatísticas próprias da Estatística Probabilistica Inferencial. Probabilística porque? Porque seguem critérios de seleção da amostra e procedimentos técnicos bem rigorosos, diferentes da Estatística Descritiva, ou mesmo quando se usa amostragem não probabilística, tal como vocês usaram. Inferencial porque? Porque as análises estatística inferenciais, tais como a Análise Correlacional, a Análise de Sensibilidade, a Análise Fatorial, a Análise de Regressão, etc., permitem não apenas cacaterizar uma população, mas também correlacionar as suas variáveis, compreender suas causas, projetar seus comportamentos futuros, etc., produzindo inferências. Um trabalho que utiliza a Análise de Correlação e também a considera pesquisa quantitativa é o de Oliveira et al (2022), publicado na Revista de Engenharia e Tecnologia. Fonte: https://revistas.uepg.br/.../article/view/19895/209209216416 . Mas foi considerada pesquisa quantitativa porque além de inferencial, também usou amostragem probabilística. Parabéns aos participantes dessa pesquisa!!!

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.