GESTÃO NO CONTEXTO DA COVID-19: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO CAMPO DOS NEGÓCIOS, GESTÃO E CONTABILIDADE

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Ensino e Pesquisa em Administração

Temas Correlatos: Evidências científicas e relatos de experiência sobre Covid-19;

Acessos neste artigo: 73


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Jose Thiago Andrade Silva , Augusto Cézar De Aquino Cabral , Sandra Maria Dos Santos

ABSTRACT
Desde o início da pandemia, os pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento têm concentrado seus esforços na publicação de artigos científicos relacionados ao tema Covid-19. Nesse contexto, a produção científica desenvolvida durante esse período da pandemia de Covid-19 é fundamental para a compreensão deste momento histórico, abrangendo não apenas as publicações na área da saúde, mas também nas áreas de gestão. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo investigar as características da produção científica sobre gestão no contexto da Covid-19. Quanto à metodologia, trata-se de uma pesquisa descritiva baseada em um estudo bibliométrico. Para realizar esta pesquisa, foi conduzida uma análise documental dos periódicos publicados no período de janeiro de 2019 a junho de 2022, obtidos na base Scopus e indexados na seção de negócios, gestão e contabilidade. Foram selecionados os 2.000 artigos de maior impacto. Verificou-se que o ano de 2021 registrou o maior número de publicações significativas. Um dos artigos de maior impacto foi ''Pandemics, tourism and global change: a rapid assessment of COVID-19'', que abordou a temática do turismo e da pandemia. Dentre os autores que mais publicaram, destacaram-se Dhir A., Kaur P. e Kim J. A instituição com maior número de publicações foi a North-West University, e o periódico com mais artigos publicados foi o International Journal of Hospitality Management. Os países com maior produção de artigos foram os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália. Além disso, foram analisadas as principais temáticas correlatas e identificadas as principais relações de coautoria, co-citação, co-ocorrência de palavras-chave e acoplamento bibliográfico.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 30-11-2023 08:41:55

Silva, Cabral e Santos (2023), a Revisão Sistemática conduzida por vocês, com análise bibliométrica, dos 2000 artigos recuperados da Scopus, no lapso temporal de janeiro de 2019 a junho de 2022, foi robusta. Além de avaliar aspectos básicos comumente avaliados por pesquisadores meramente especialistas, tais como quantidade de trabalhos, de citações, de autores, de IES a eles vinculados, principais achados e lacunas, tendências teóricas e metodológicas, vocês incluíram também outras variáveis tais como as principais relações de coautoria, co-citação, co-ocorrência de palavras-chave e acoplamento bibliográfico, que, a meu ver, tornaram a RS de vocês robusta, do nível de pesquisadores doutores. Aqui está um modelo de RS de alto impacto. Outra questão: vocês se baseiam em Marconi e Lakatos (2008) afirmando que a análise dos periódicos que vocês fizeram consiste numa análise documental; mas, cruzando informações de outros autores de metodologia cientifica (e eu sou um deles), como, por exemplo, Souza, Oliveira e Alves (2021), percebe-se que a pesquisa bibliográfica tem como fonte de dados as bibliografias, que também são documentos, mas que receberam tratamento científico, tais como livros, artigos científicos, teses, dissertações, anuários, revistas, leis e outros tipos de fontes escritas que já foram publicados; a pesquisa documental também tem os documentos como fonte de dados, mas que não receberm tratamento científico, conforme apontam Sá-Silva, Almeida e Guindani (2009). Interessante notar, que, tanto os documentos da pesquisa bibliográfica, denominados propriamente de bibliografias, quanto os da pesquisa documental, denominados propriamente de documentos, podem consistir em fontes primárias, secundárias ou terciárias; isso depende do nível da qualidade dos documentos, em termos de amplitude, profundidade e contribuições; por exemplo, artigos científicos de alto impacto, dissertações de mestrado e teses de doutorado, que comumente possuem elevada qualidade, trazem descobertas que contruem sobremaneira para o progresso científico, tecnológico e social humano necessariamente são fontes primárias, mas se forem apenas uma compilação da literatura aí devem ser tratados como fontes secundárias, enquanto se forem trabalhos de menor qualidade, tais como catálogos de bibliotecas, diretórios, revisões de literatura e outros similares, devem ser tratados como fontes terciárias. Nesse caso, incorreto afirmar que a pesquisa bibliográfica e documental se baseia tão somente em fontes secundárias, tal como algumas IES afirmam, embora trabalhos que se baseiam em fontes primárias, mas que consistam apenas em revisão da literatura devam ser tratados como pesquisa terciária, se fizerem uma compilação relevante e consistente devem ser tratados como pesquisa secundária, e se trouxerem descoberta(s) devem ser tratados como primários. Fonte 1: https://revistas.fucamp.edu.br/index.php/cadernos/article/view/2336/1441. Fonte 2: https://siposg.furg.br/selecao/download/1123/pesquisa_documental.pdf. Fonte principal: BREVIÁRIO, Álaze Gabriel do. Os três pilares da metodologia da pesquisa científica: o estado da arte. Curitiba: Appris, 2020. 283 p.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.