INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UMA ANÁLISE BIBLIOGRÁFICA SOBRE AS AÇÕES ADOTADAS PELA GESTÃO DE PESSOAS ENTRE OS ANOS DE 2017 A 2021

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão de RH

Acessos neste artigo: 61


Certificado de participação:
Certificado de Vera Lúcia Da Conceição Neto

Certificado de publicação:
Certificado de Vera Lúcia Da Conceição Neto

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Wagner Santos Lima Junior , Vera Lúcia Da Conceição Neto

ABSTRACT
A pesquisa teve como foco identificar as ações da área de Gestão de Pessoas para a inclusão das pessoas com deficiência no período de 2017 a 2021, visando entender como estava o convívio e a relação com o funcionário (PcD) dentro das organizações, antes e durante a pandemia. A inclusão é um movimento que tem estado em voga nos últimos anos, ela vem ganhando importância nas organizações e nas práticas empresariais. Esse fenômeno tem relevância para qualquer gestor, por conta da pandemia do Covid-19,onde houve um impacto em diversas áreas da sociedade e no mercado de trabalho. Diante disto, o trabalho utilizou a pesquisa bibliográfica, como método qualitativo, onde foram analisados 16 artigos publicados nas bases de dados Spell, Scielo e Periódicos Capes, utilizando-se a análise de conteúdo. O resultado demonstrou que as principais iniciativas da Gestão de pessoas se dividem em dois pontos: o primeiro foi a capacitação da PcD, gerando maior protagonismo, autonomia e estratégias próprias de ambientação e adaptação, e diálogos interpessoais mais amplos no trabalho e o segundo foi a implementação do modelo home office que traz uma comodidade em relação ao deslocamento, uma vez que a PcD está em sua residência  (como no caso de cadeirantes), mas isto não garante um bem-estar, pois a residência pode ser inapropriada para o trabalho. Antes da pandemia, a GP focava o trabalho presencial e durante, o home office. Por fim, compreende-se que a inclusão na visão da gestão de pessoas é algo valioso, mas que precisa haver um investimento em capacitação da PcD por parte do governo, para que ela tenha sua empregabilidade. A escolaridade e a qualificação são aspectos cruciais que precisam avançar, pois existe muita dificuldade para as empresas encontrarem PcD’s que correspondam às vagas de emprego. A ausência de escolaridade da PcD no Brasil tornou-se algo preocupante no mundo do trabalho, pois é um empecilho à aquisição de empregos formais. 



PcD por parte de gestores que por meio da capacitação e do modelo home office conseguiram impactar um setor e crescer em empregabilidade graças a um olhar mais amplo e as políticas de cotas vigentes.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Nathan Pompermayer 15-11-2023 09:23:37

Excelente tema. Mostrando o quanto as organizações precisam avançar para inclusão da PcD no mercado de trabalho, ainda mais em situações de crise como a pandemia. Parabéns!

Foto do Usuário Anabelly Gomes Luiz 25-11-2023 16:16:58

Parabenizo entusiasticamente Wagner Santos pelo artigo sobre a inclusão de pessoas com deficiência na gestão de pessoas entre 2017 e 2021. A pesquisa abordou os desafios enfrentados por esses funcionários, destacando a importância da inclusão no ambiente empresarial. Utilizando métodos qualitativos e analisando 16 artigos, o estudo revelou a relevância da capacitação das PcD e os impactos do home office. O trabalho ressaltou a necessidade de investimento em educação por parte do governo e a importância de avançar na qualificação desses profissionais para promover a inclusão no mercado de trabalho. Parabéns pelo excelente trabalho e pelo impacto positivo na busca por ambientes de trabalho mais inclusivos.

Foto do Usuário Sofia Figaro Rizzo 29-11-2023 14:17:32

Wagner, parabéns pelo ótimo trabalho! A inclusão de pessoas com deficiência no mundo do trabalho é uma pauta essencial na Gestão de Pessoas como um todo e que demanda ações e melhorias a todo momento. Artigo muito agregador.

Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 30-11-2023 13:39:54

Júnior e Neto (2023), o artigo de vocês foi bem redigido e a análise bibliográfica que vocês conduziram, e assim denominaram, na verdade, à luz dos mais refinados entendimentos de Metodologia da Pesquisa Científica, consistiu numa Revisão Sistemática, tanto bibliográfica quanto documental, embora tenha focado nos seus aspectos principais, com alguns dados bibliométricos relevantes. As sínteses tabeladas contendo tema principal, resumo dos artigos, autores, método de coleta de dados, ações de inclusão utilizadas, quantidade de publicações, forneceram uma over view da produção científica nacional sobre a temática, e propiciou uma discussão atualizada sobre as ações de inclusão aos deficientes durante o contexto pandêmico, no território brasileiro, por parte da Gestão de pessoas em geral, que inclui a gestão do pessoal das organizações empresariais e governamentais (sobretudo), mas também as religiosas, desportivas, filantrópicas, etc.. O trabalho remoto (home office), bastante praticado no contexto pandêmico, tornou-se um dos principais métodos de inclusão das pessoas com deficiência no nosso país. Já o Auxílio-Inclusão, não aborado no artigo de vocês, mas muito útil como informação associada e complementar, foi previsto na Lei nº 13.146/2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência), posteriormente, no período pandêmico, foi regulamentado pela Lei nº 14.176/2021. Vigente desde outubro de 2021, ele foi criado para apoiar e estimular a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho. O benefício, que tem valor de meio salário mínimo, é destinado às pessoas com deficiência com 16 anos ou mais que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) ou já receberam o benefício durante qualquer período nos últimos 5 anos, e que entram no mercado de trabalho. Dito isto, aliando-se o trabalho remoto com o BPC, ou com o auxílio-inclusão, os deficientes podem ser incluídos/reinseridos no mercado de trabalho com a segurança necessária para que, caso não consigam manter a estabilidade desejada no novo trabalho, ele possa voltar a auferir seu BPC integralmente, migrar para outra área ou trabalho, outra cidade, enfim, para que os deficientes possam planejar bem a sua carreira e executá-la com flexibilidade e segurança. As 30 referências citadas corroboram a revelância e a pertinência dos conteúdos bibliográficos e documentais aqui apresentados e adequadamente discutidos. Não consta o resumo, com palavras-chave, em língua vernácula e estrangeira, detalhes que tornam a estrutura mais apresentável, mas cuja ausência pode ser compensada por outros critérios de avaliação, como o grau de contribuição geral do trabalho, e justificada por exemplo por falta de atenção, ou por causa do pouco domínio da rotina (comumente chamada de ''exiguidade temporal''), provocada pelo acúmulo de atividades seculares e obrigações familiares do nosso dia a dia.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.