Gestão de Fluxo de Candidatos “Aptos Não Admitidos” Em concursos Públicos, Diante do Recrutamento e Seleção – Caso de Estudo no Gabinete Provincial da Educação (Departamento de Planeamento, Estatística e Recursos Humanos).Província do Cunene - Angola.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão de RH

Acessos neste artigo: 73


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Manuel Miguel Pingue Paulino , Bryan Manuel Julca Briceno

ABSTRACT
Este artigo centra-se na gestão de fluxo de candidatos “aptos não admitidos” em concursos públicos, diante do recrutamento e seleção, por se tratar de um cenário vivenciado no país e em particular na província do cunene. Ao considerar essa problemática perguntou-se que tratamento pode ser dado aos candidatos aptos não admitidos em concursos públicos por insuficiência de vagas? Que teve como objectivo geral analisar a forma de tratamento e alocação de candidatos “aptos não admitidos” em concursos públicos no Gabinete Provincial da Educação do Cunene. 
A revisão da literatura vislumbraos aspectos não tidos em contas no processo de seleção de candidatos e da importância da gestão de recursos humanos. A referida temática foi desenvolvida numa perspectiva de estudo de caso e na metodologia de pesquisa qualitativa.
Em resultado deste estudo identificou-se a necessidade da criação da base de dados para o cadastro reserva de candidatos aptos não admitidos por insuficiência de vagas, de forma a serem enquadrados num concurso público posterior. 

Palavras-chave: Gestão de candidatos aptos não admitidos; Concursos públicos; Recrutamento e seleção.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 30-11-2023 14:12:28

Paulino e Briceno (2023), focaram numa temática que eu li pela primeira vez na literatura científica. Nunca tinha visto um trabalho científico focado em candidatos ''aptos não admitidos'' em concursos públicos. Esse foi o primeiro trabalho científico que vejo, leio e comento sobre essa temática. Aqui no Brasil muitos certames de concursos públicos já preveêm cadastro de reserva em seus editais, jutamente para que candidatos aprovados em todas as etapas do processo seletivo, mas não admitidos dentro do número de vagas, tenham a chance de tomarem posse na carreira pública em momento posterior. Na Angola, pelo que os autores propõem - a criação de uma base de dados para o cadastro reserva de candidatos aptos não admitidos por insuficiência de vagas, de forma a serem enquadrados num concurso público posterior - a situação tem sido bem mais problemática do que a daqui, não havendo ainda essa base de dados pelas organizadoras dos concusos e ou órgãos públicos em geral, para cadastros de reserva, algo ainda a ser criado, conforma a proposta apresentada no artigo. Mas muito bem proposto; poder-se-ia utilizar modelos de outros países, de cadastros de reservas em concursos públicos, para embasar mais a proposta, dando-lhe mais credibilidade, aceitação, persuasão. Como o mestre Paulino está aqui no CONVIBRA 2023 apresentando conosco um trabalho focado na realidade angolana, imagino que tenha algum vínculo com a Angola, talvez já tenha realizo intercâmbio acadêmico lá, ou seja natural da Angola, talvez tenha familiares ou amigos lá, ou alguma parceria específica feita com angolados, não sei ao certo. Mas sei que o trabalho conduzido é atual, pertinente, traz uma temática que para mim é nova (talvez não seja para outros pesquisadores, mas também não encontrei nas referências outros pesquisadores da temática, exceto Chimpolo, de 2014, da literatura americana, sem editora, que disserta sobre a realidade da administração pública angolana); as demais referências, exceto essa e a peruana (Cruzata e Rodrigues, 2016), parecem ser todas brasileiras, não encontrei tempo aqui para consultar uma a uma, pela quantidade dos pareceres técnicos que estou fornecendo, e outras atividades acadêmico-científicas que tenho realizado no momento.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.