POSSIBILIDADES DE COMPREENSÃO DO TURISMO RURAL POR MEIO DA ETNOGRAFIA E DA OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Ensino e Pesquisa em Administração

Temas Correlatos: Ensino e Pesquisa em Administração;

Acessos neste artigo: 86


Certificado de participação:
Certificado de Paola Brusco Ribeta

Certificado de publicação:
Certificado de Paola Brusco Ribeta

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Paola Brusco Ribeta , Daniel Lanna Peixoto , Vitor Colodette

ABSTRACT
Este ensaio teórico objetiva discutir perspectivas de análise do turismo rural sob a ótica da etnografia e da observação participante. Para tanto, revisaram-se bibliografias que versam sobre etnografia e observação participante com vistas a identificar suas principais contribuições no estudo do turismo rural. O percurso argumentativo foi organizado da seguinte forma: em um primeiro momento, são evidenciados os principais elementos acerca da etnografia e da observação participante; doravante, são destacadas as principais características do turismo rural e, por fim; realizou-se uma aproximação entre a etnografia e a observação participante com o objetivo de ressaltar as principais contribuições dessas técnicas para o estudo do turismo rural. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 30-11-2023 09:24:35

O trabalho teórico de vocês, Ribeta, Peixoto e Colodette (2023) foi bem conduzido, embora, sendo meramente teórico, sabemos que consiste em uma pesquisa básica. Como autor de trabalhos científicos (livros, artigos, etc.) sobre Metodologia da Pesquisa Científica, eu não poderia deixar de aproveitar a oportunidade para fazer apontamentos relevantes que precisam ser cada vez mais discutidos nos eventos científicos da nossa área, nos trabalhos científicos que fazemos, em sala de aula, no mercado de trabalho, e no dia a dia de todos os cientistas. Os documentos da pesquisa etnográfica, que é um dos tipos da pesquisa obvervacional participante, são fontes primárias. A pesquisa bibliográfica tem como fonte de dados as bibliografias, que também são documentos, mas que receberam tratamento científico, tais como livros, artigos científicos, teses, dissertações, anuários, revistas, leis e outros tipos de fontes escritas que já foram publicados; a pesquisa documental também tem os documentos como fonte de dados, mas que não receberm tratamento científico, conforme apontam Sá-Silva, Almeida e Guindani (2009). Interessante notar, que, tanto os documentos da pesquisa bibliográfica, denominados propriamente de bibliografias, quanto os da pesquisa documental, denominados propriamente de documentos, podem consistir em fontes primárias, secundárias ou terciárias; isso depende do nível da qualidade dos documentos, em termos de amplitude, profundidade e contribuições; por exemplo, artigos científicos de alto impacto, dissertações de mestrado e teses de doutorado, que comumente possuem elevada qualidade, trazem descobertas que contruem sobremaneira para o progresso científico, tecnológico e social humano necessariamente são fontes primárias, mas se forem apenas uma compilação da literatura aí devem ser tratados como fontes secundárias, enquanto se forem trabalhos de menor qualidade, tais como catálogos de bibliotecas, diretórios, revisões de literatura e outros similares, devem ser tratados como fontes terciárias. Nesse caso, incorreto afirmar que a pesquisa bibliográfica e documental se baseia tão somente em fontes secundárias, tal como algumas IES afirmam, embora trabalhos que se baseiam em fontes primárias, mas que consistam apenas em revisão da literatura devam ser tratados como pesquisa terciária, se fizerem uma compilação relevante e consistente devem ser tratados como pesquisa secundária, e se trouxerem descoberta(s) devem ser tratados como primários. A presente pesquisa de vocês, embora verse sobre etnografia e pesquisa observacional participante, aplicadas ao turismo rural, é, ela mesma, uma mera pesquisa bibliográfica (baseia-se em pelos menos 40 bibliografias, muitas de alto impacto, de acordo com o sentido stricto sensu de bibliografias que apontei anteriormente) e documental (baseia-se em pelo menos 1 documento legislativo, consoante sentido stricto sensu de documento que apontei anteriormente também). Então, o trabalho de vocês baseia-se em fontes secundárias e primárias, foi abrangente na literatura da temática, embora não a exaure (e nem foi esse o objetivo), mostrando ser uma pesquisa que deve ser considerada secundária quanto ao seu nível de qualidade. Se trouxesse alguma descoberta científica, poderia ser considerada primária, mesmo sendo uma pesquisa teórica, ou básica, mas na prática nunca encontrei pesquisa meramente teórica que produzisse descoberta(s) científica(s); o que já vi na literatura, são pesquisas teóricas que apresentam e discutem descobertas científicas produzidas em outras pesquisas; mas pesquisas científicas que trazem descobertas são teoricamente muito bem fundamentadas, empiricamente testadas e comprovadas, e metodologicamente rigososas. A minha Teoria da Predestinação, por exemplo, que desenvolvo há mais de 13 anos, traz descobertas científicas relevantes sobre a vida humana; só preciso fundamentá-la mais em sentido teórico-empírico-metodológico para que ela fique perfeita; no entanto, a meu ver ela já pode e deveria ser aceita pela comunidade científica como uma teoria científica. Fonte 1: https://revistas.fucamp.edu.br/.../article/view/2336/144.. Fonte 2: https://siposg.furg.br/.../1123/pesquisa_documental.pdf.. Fonte principal: BREVIÁRIO, Álaze Gabriel do. Os três pilares da metodologia da pesquisa científica: o estado da arte. Curitiba: Appris, 2020. 283 p.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.