Mais Um Para a Coleção: Um Estudo Acerca das Diferenças no Comportamento de Consumo de Discos de Vinil Entre a Geração Z e Suas Predecessoras

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Marketing

Acessos neste artigo: 87


Certificado de publicação:
Certificado de João Vitor Morais Rodrigues
Certificado de Felipe Yuske Chevalier Ivasita

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

João Vitor Morais Rodrigues , Felipe Yuske Chevalier Ivasita , Guilherme Ukyo Matos Nakayama

ABSTRACT
O presente artigo apresenta um estudo acerca das diferenças no comportamento e no processo de consumo de discos de vinil entre geração Z e suas predecessoras. Para tal, foi conduzida uma pesquisa quantitativa por meio de um questionário, a fim de contemplar o objetivo de investigar e identificar os fatores que motivam os diferentes indivíduos a buscarem pelo produto, delineando os significados e percepções englobados neste processo de consumo. Os respondentes foram segmentados entre pertencentes à geração Z e pertencentes a outras gerações, visando levantar os fundamentos motivadores e envolvidos no consumo do vinil pelos grupos. Sintetizou-se que a geração mais jovem demonstra interesse em vinis por razões estéticas e experiência tátil, enquanto as gerações mais antigas valorizam a tradição musical. Ambos os grupos priorizam artistas favoritos e aspecto físico na escolha de discos, enquanto a influência social afeta mais a geração Z em suas decisões de compra. O estudo destaca o valor duradouro e cultural do vinil, capaz de transcender gerações e continuar relevante.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário álaze Gabriel Do Breviário 04-12-2023 13:31:10

Rodrigues, Isavita e Nakayama (2023), trabalho bem redigido e bem conduzido. Fundamentação teórica coerente e condizente com a literatura científica da temática, e com a realidade observado no mercado. Referências diversificadas, entre clássicas e mais atualizadas. Bem selecionada. Pesquisa aplicada, qualitativa, bibliográfica, com aplicação de questionário; com resultados e conclusões relevantes. Uma pesquisa é caracterizada como quantitativa quando são empregadas técnicas estatísticas próprias da Estatística Probabilistica Inferencial. Probabilística porque? Porque seguem critérios de seleção da amostra e procedimentos técnicos bem rigorosos, diferentes da Estatística Descritiva, ou mesmo quando se usa amostragem não probabilística, tal como vocês usaram. Inferencial porque? Porque as análises estatística inferenciais, tais como a Análise Correlacional, a Análise de Sensibilidade, a Análise Fatorial, a Análise de Regressão, etc., permitem não apenas cacaterizar uma população, mas também correlacionar as suas variáveis, compreender suas causas, projetar seus comportamentos futuros, etc., produzindo inferências. Um trabalho que utiliza a Análise de Correlação e também a considera pesquisa quantitativa é o de Oliveira et al (2022), publicado na Revista de Engenharia e Tecnologia. Fonte: https://revistas.uepg.br/.../article/view/19895/209209216416 . Mas foi considerada pesquisa quantitativa porque além de inferencial, também usou amostragem probabilística. Parabéns aos participantes dessa pesquisa!!!

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.