GERMINAÇÃO E CULTIVO DE AGUAPÉ EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE SAL

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Fisiologia e Produção Vegetal

Temas Correlatos: Sustentabilidade ambiental;

Acessos neste artigo: 231


Certificado de participação:
Certificado de Pedro Soares De Melo

Certificado de publicação:
Certificado de Pedro Soares De Melo

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Pedro Soares De Melo , Julia Ramos De Oliveira , Nicole Pereira De Souza Rocha , Daniel Moncada Pereira Marques , Gabriela Martins Correa , Cristina Moll Hüther , Evelynn Teixeira Silva , Stefany De Souza Xavier , Fernanda Macedo De Araujo Azeredo , Gabrielle Vandam Simonetti De Oliveira , Bruno Salarini Peixoto , Carolina Guimarães De Souza Lima , Rebecca De Andrade Klein Ricardo

ABSTRACT
A macrófita Eichhornia crassipes (aguapé), é comumente utilizada para fitorremediação, entretanto, pouco se sabe sobre seu crescimento e desenvolvimento em ambiente mais salinos. Sendo assim, este estudo teve como objetivo avaliar a germinação, crescimento e sobrevivência do aguapé em ambientes salinos para posterior aplicação nesses locais, com propósitos de fitorremediação. Para isso, foram realizados três Ensaios com diferentes concentrações de sal comum. Ensaio I: sementes de aguapé foram colocadas para germinar em papel Germitest® com água + sal na concentração de 2g/L. No Ensaio II: cultivadas plantas adultas em diferentes concentrações salinas, por 14 dias:  T1: 0% de sal (controle); T2: 0% de sal + SN (solução nutritiva); T3: 25% de sal; T4: 50%; e T5: 100%. Ensaio III: cultivadas plantas adultas em diferentes concentrações salinas, por 14 dias: T1: 0% de sal (controle); T2: 0% de sal + SN (solução nutritiva); T3: 1% de sal; T4: 5%; e T5:10%. No Ensaio I se analisou: porcentagem de germinação e índice de velocidade de germinação (IVG); no Ensaio II e III realizou-se análise visual e contagem de folhas novas e mortas durante o período de cultivo 7 dias (Ensaio II) e 14 dias para o Ensaio III. No Ensaio I a porcentagem de germinação foi maior tratamento controle. No Ensaio II, em todos os tratamentos com sal, as plantas não conseguiram sobreviver por sete dias.  No Ensaio III as plantas conseguiram sobreviver os 14 dias propostos e algumas concentrações as plantas ainda apresentaram folhas novas. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Ricardo Guilherme Kuentzer 19-06-2023 10:18:49

O presente trabalho é de alta relevância, uma vez que ações de fitorremediação são soluções eficiente para problemas que causem impactos ao Meio Ambiente. Os ensaios foram descritos de maneira técnicas para cada tratamento. Salientando que, os resultados e conclusão da Eichhornia crassipes não sobrevive em concentrações de sal próxima a dos oceanos, apresentando dificuldades durante a germinação, e quando planta adulta, não sobrevive. Parabéns pelos estudos!

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.