artigos
Convibra Conference - Perfil dos profissionais de Enfermagem afastados na fase inicial da pandemia pela COVID-19
Perfil dos profissionais de Enfermagem afastados na fase inicial da pandemia pela COVID-19

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão de serviços de saúde

Temas Correlatos: Gestão de serviços de saúde;

Acessos neste artigo: 43


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Fabiana Da Silva Augusto , Ieda Aparecida Carneiro , Celina Mayumi Morita Saito

ABSTRACT
INTRODUÇÃO: A pandemia de COVID-19 trouxe uma série de questões que afetam os profissionais de Enfermagem, dentre elas, o afastamento do colaborador. Estudos sobre o perfil de profissionais que apresentaram ausências no trabalho podem auxiliar a identificar pontos de críticos e possíveis causas reversíveis, a fim de propor estratégias para reduzir a sua ocorrência. OBJETIVO: Conhecer o perfil dos profissionais de Enfermagem afastados durante os primeiros meses de pandemia por COVID-19. MÉTODOS: Estudo retrospectivo realizado em Hospital Universitário da cidade de São Paulo, Brasil. Trabalho aprovado pelo comitê de ética em pesquisa da UNIFESP sob o nº CAEE 34568920.2.0000.5505. A amostra foi composta por profissionais de Enfermagem que apresentaram pelo menos um dia de afastamento no serviço nos primeiros 100 dias de pandemia por COVID-19 - 11 de março a 18 de junho de 2020. Os dados foram coletados a partir das escalas de serviço e documentos do setor de Recursos Humanos. Houve anonimização dos dados por pessoa não ligada à pesquisa para não identificação dos profissionais pelos pesquisadores durante a análise dos dados. Para as comparações, realizados os testes de Mann-Whitney, Kruskal-Wallis e Teste de Comparações Pareadas, com nível de significância estatística de 5%. RESULTADOS: Foram recebidos 1631 atestados de 898 profissionais. Ocorreu mais afastamentos entre os profissionais do nível médio (n=642/71,5%), lotados em enfermarias (n=252/28,1%) e do período noturno (n=338/37,6%). Os principais motivos de afastamento foram as infecções virais (n=359/22,0%), problemas respiratórios (n=203/12,4%) e os distúrbios osteomusculares (n= 75/4,6%). Cento e vinte um profissionais (13,5%) apresentaram afastamento por COVID-19, sendo os mais afetados os colaboradores do nível médio (65/53,7%), de unidades de terapia intensiva (36/29,7%) e do período noturno (49/40,5%). Pessoas acima de 50 anos apresentaram mais dias de afastamento quando comparado aos colaboradores abaixo de 30 anos (p?0,032). Os auxiliares de enfermagem apresentaram mais dias de afastamento quando comparado aos enfermeiros (p<0,001). CONCLUSÃO: Houve um importante número de afastamentos na fase inicial da pandemia por COVID-19, sendo as infecções virais, os problemas respiratórios e os distúrbios osteomusculares as principais causas. Apresentaram maior número de dias de afastamento do serviço as pessoas acima de 50 anos e os auxiliares de enfermagem.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Lucas Dos Santos Matos 25-11-2022 08:41:34

Parabéns do trabalho! São resultados muito interessantes em geral e importantes para a gestão dos profissionais nesses ambientes. Tenho dúvidas se seria de interesse separar o número de profissionais afastados por questões ergonômicas da amostragem, ou se também faz parte da análise, visto que a COVID demandou muita força de trabalho braçal dos profissionais também. Questiono por não ter conhecimentos específicos da área e uma visão mais relacionada a engenharia dos processos de pesquisa.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.