artigos
Convibra Conference - EDUCAÇÃO EM SAÚDE - CONSCIENTIZAÇÃO DA MALÁRIA BASEADO EM UMA EXPERIÊNCIA EM GANA: RELATO DE EXPERIÊNCIA
EDUCAÇÃO EM SAÚDE - CONSCIENTIZAÇÃO DA MALÁRIA BASEADO EM UMA EXPERIÊNCIA EM GANA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação Física, Nutrição, Fisioterapia e áreas afins na Gestão, Educação e Promoção da Saúde

Temas Correlatos: Educação Física, Nutrição, Fisioterapia e áreas afins na Gestão, Educação e Promoção da Saúde;

Acessos neste artigo: 7


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Raquel Ramos Schettino , Bruno Gonçalves Da Silva , Érika Marina Rabelo , Isabela Mie Takeshita , Leila Fátima Santos , Shirley Pereira De Almeida , Sumaya Giarola Cecilio , Valquiria Fernandes Marques

ABSTRACT
Introdução: A África é um continente que ainda é o mais afetado por malária representando 90% dos casos segundo a ONU, 2019. Entre os 10 países mais afetados pela malária, se destaca Gana. A agência considera um dado preocupante, pois nesses países, estima-se que tenha havido mais de 3,5 milhões de casos em 2017 em relação ao ano anterior (ONU NEWS,2019). A educação em saúde é um método forte para o empoderamento individual e comunitário em relação à Malária e que deve ser incentivado nos centros de saúde e na comunidade para que tenhamos uma redução desse índice. Objetivo e Metodologia: Trata-se de relato de experiência de uma acadêmica de enfermagem durante o intercâmbio enquanto voluntária em um hospital localizado em Gana, no continente africano. Iniciou-se em janeiro de 2020 um estágio observacional na cidade de Kumasi-Gana onde foi realizado um diário de campo para observações quanto a experiência vivida no país. Alguns dados foram coletados através de questionamentos com médicos e enfermeiros atuantes no hospital e outros em documentos hospitalares e feitos apontamentos correlacionando com casos no norte do Brasil. Resultados e Discussões: Ao iniciar a vivência em Kumasi/Gana, pode-se observar que os bairros com maior poder aquisitivo utilizavam tela nas janelas e portas com o propósito de evitar entrada de mosquitos, principalmente o Anopheles que é o vetor transmissor da doença malária. Já na cidade como um todo, não havia essa preocupação. Foi orientado a utilizar sempre repelentes locais que seriam mais eficazes contra o mosquito. O primeiro dia no Hospital em Kumasi, foi uma adaptação no setor de urgência e emergência. Este dia foi típico de Gana e todo o continente Africano; momento de realizar administração de medicamentos para tratamento de malária. Segundo os médicos, os casos de malária no hospital chegavam a 400 por dia nas épocas de chuva e 20 por dia nas épocas de seca. A maioria dos casos são em épocas de chuva, onde há a grande reprodução do mosquito que é o vetor da doença. Os jovens ficam vulneráveis ao entardecer e amanhecer, por não usarem qualquer proteção e no qual é o horário ativo dos mosquitos. Não foi observado programas de controle de conscientização ou controle de checkup de rotina. Conclusão: A prevenção da malária passa pela eliminação do mosquito e através de medidas individuais como uso de mosquiteiros nas janelas de casas, camas, e uso de repelentes, assim como melhores condições de saneamento básico. A participação ativa dos centros de saúde na conscientização da profilaxia do mosquito é um importante e eficaz método para diminuição dos casos de malária. É fundamental o incentivo governamental para atuar no controle e eliminação do mosquito assim como conscientização da população.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.