artigos
Convibra Conference - A Práxis do enfermeiro no cuidado à gestante usuária de álcool e outras drogas na atenção primária
A Práxis do enfermeiro no cuidado à gestante usuária de álcool e outras drogas na atenção primária

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Saúde da Mulher

Temas Correlatos: Saúde Mental;

Acessos neste artigo: 22


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Mariane Alves Corrêa Bittencourt , Helen Campos Ferreira

ABSTRACT
1.Introdução
O uso e abuso de álcool e outras drogas na gestação é um dos transtornos psiquiátricos mais frequentes. Tal fato apresenta significativa relevância e tem gerado preocupações em diversas esferas sociais, já que o uso dessas substâncias, na gravidez, acarreta riscos e consequências potencialmente graves para a saúde materna e fetal, com maior probabilidade de intercorrências neonatais e obstétricas. A assistência em saúde às mulheres gestantes usuárias de álcool e outras drogas é extremamente complexa e desafiadora em função das inúmeras demandas desta população. Estas devem ser atendidas, concomitantemente, pelas unidades de saúde de referência para realização da assistência pré-natal e pelos Centros de Atenção Psicossocial de Álcool e Outras Drogas (CAPS Ad) para o acompanhamento relacionado ao uso de álcool e drogas. 
2.Objetivo
Objetiva-se com este trabalho listar os principais cuidados de enfermagem às gestantes de álcool e outras drogas na atenção primária. 
3.Método 
Trata-se de reflexão, desenvolvida a partir de vivências profissionais referentes aos atendimentos de enfermagem às gestantes, usuárias de álcool e outras drogas na atenção primária. 
4.Resultados e discussão
Inicialmente é importante ressaltar que esta população está inserida em um contexto repleto de vulnerabilidades sociais, as quais inclui-se: desigualdade de gênero, violência doméstica e sexual, desemprego, baixa renda, ausência de moradias, vivência em situação de rua, fragilidades ou inexistência de vínculos familiares ou sociais, multiparidade, dificuldades no acesso aos serviços de saúde, comorbidades obstétricas e transtornos psiquiátricos. Tais fatores, por si só, dificultam o acesso destas gestantes e puérperas aos serviços de saúde. É importante que o enfermeiro, inserido em uma equipe multiprofissional, possa reconhecer esse contexto e empreender esforços, juntamente com sua equipe, para redução destas barreiras. É fundamental que este profissional possa desenvolver estratégias que permitam o acesso a estas gestantes aos serviços de saúde, desempenhando habilidades de acolhimento, escuta sensível e qualificada, sem julgamentos, além de trabalhar o desenvolvimento de tais competências com sua equipe. Tais ações permitem a criação e o fortalecimento de vínculos com o serviço e os profissionais que ali atuam. Nas consultas de enfermagem, o profissional durante a abordagem clínica e obstétrica deve realizar orientações acerca de dos riscos do uso destas substâncias para saúde materna e do feto e promover a reflexão sobre o autocuidado durante a gestação, de modo a auxiliar a redução e a possibilidade de abstinência, com a construção de estratégias de prevenção e tratamento para o uso de substâncias.  A partir desta abordagem, o profissional deve incentivar o acompanhamento pela equipe de saúde mental, visando suporte psicológico e psiquiátrico, além de garantir o uso dos devidos medicamentos, indicados para o tratamento de seu transtorno.  Pode-se também promover ou incentivar a participação da gestante em grupos terapêuticos, sobretudo, os que abordem ações de educação em saúde, além promover abordagens de modo a promover o fortalecimento de vínculo familiar, sobretudo na relação mãe/filho, de modo a minimizar os efeitos do consumo.  Em virtude de as dificuldades deste público acessar os serviços de saúde e suas complexas demandas, torna-se necessário que o enfermeiro possa promover a articulação de ações com a rede de atendimento em saúde em todos os níveis de atenção, para o fortalecimento da assistência pré-natal, obstétrica, de saúde mental e de assistência social, de maneira que esse cuidado possa acontecer de forma mais efetiva. Promover e incentivar o fortalecimento de vínculos familiares. 
5.Conclusão
 A assistência às gestantes usuárias de álcool e outras drogas é complexa e exige competências técnicas específicas dos profissionais de saúde, sobretudo o enfermeiro. Este profissional deve estar desenvolver competências de modo a identificar o contexto de vulnerabilidade ao qual estas estão inseridas e desenvolver estratégias que promovam o acesso aos serviços de saúde, estimulando a manutenção do acompanhamento da assistência nos diversos níveis de atenção em saúde. A assistência de enfermagem pautada por condutas acolhedoras que visem o fortalecimento do vínculo e uma escuta sensível são ferramentas que podem facilitar o acesso e adesão destas aos serviços de saúde. Uma investigação clínica e obstétrica associada às ações educativas e preventivas voltadas ao fortalecimento de vínculos familiares, podem minimizar o consumo e efeitos destas substâncias durante a gestação, além de promover a manutenção do acompanhamento em saúde por parte das puérperas. Tais ações, juntamente com a integração e o fortalecimento das redes de saúde, constituem importantes estratégias de cuidado a serem desenvolvidas pelo enfermeiro na assistência a essas gestantes. 
Descritores: Usuários de drogas/ Gestantes/ Consulta de Enfermagem/saúde da mulher.

Referências:

1-	BRASIL, Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco: série A: normas e manuais técnicos Cadernos de Atenção Básica, n° 32. Brasília (DF): Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica; 2012 [acesso em 2020, fev. 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf
2-	MOTTA, E.R., DE SIQUEIRA, D.F., SOCCOL, K.L.S., SILVA, S.O., DE CAMPOS. M.L.D. Gestantes usuárias de substâncias psicoativas. v. 18 n. 4 (2019): Enfermagem Brasil v18n4.
3-	SIQUEIRA, E.F.G. Produção de cuidado de gestantes dependentes de drogas: um scoping review. 2017. Dissertação (Mestrado em Cuidado em Saúde) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.
4-	KASSADA, D.S.; MARCON, S.S.; WAIDMAN, M.A.P. Percepções e práticas de gestantes atendidas na atenção primária frente ao uso de drogas. Esc. Anna Nery 2014 Sep;18 (3): 428- 434.
5-	DIAS, D.R. et al. O Consumo De Álcool E Outras Drogas Na Gestação: Revisão Integrativa. Rev. Enferm 2013;7(12):7188–9.
MARQUES, A.C.P.R., RIBEIRO, M.; LARANJEIRA, R.R., ANDRADA, N.C. Abuso e dependência: Crack. Rev Assoc Med Bras 2012; 58(2):141-153.
6-SODER, Ângela Barbieri; DA SILVA, Aline Oliveira; FERREIRA, Bianca Balbueno; RODRIGUES, Eliane; NORONHA, Karopy Ribeiro; RIOS, Lúcia Kariane Ribeiro. Acolhimento e acompanhamento multiprofissional de gestantes e puérperas em situação de uso abusivo de drogas. Anais do II Seminário de Atenção Multiprofissional à saúde do neonato, criança, adolescente e família.  Santa Maria, RS; 2019.
7-SANTOS, Jessica Adrielle TEIXEIRA et al. Use of psychoactive substances in women in outpatient treatment. Revista Brasileira de Enfermagem [online]. 2019, v. 72, suppl 3 [Acessado 14 Julho 2022] , pp. 178-183. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0399>. Epub 13 Dez 2019. ISSN 1984-0446. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0399.


Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.