artigos
Convibra Conference - ÓRFÃOS DA COVID, FILHOS DE NINGUÉM? Luto e memória para a infância em tempos de pandemia
ÓRFÃOS DA COVID, FILHOS DE NINGUÉM? Luto e memória para a infância em tempos de pandemia

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Pandemia, perdas, luto

Acessos neste artigo: 18


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Kelly Macedo Alcantara

ABSTRACT
Estima-se que no Brasil, mais de 113 mil crianças brasileiras perderam mãe, pai ou ambos durante a pandemia de COVID-19 até o final de 2021. É diante do desejo de compreender as experiências de orfandade durante a pandemia que o tema desse trabalho é uma análise teórica dos possíveis sentidos do luto e memória produzidos discursivamente pelas crianças que sofreram a morte de seus cuidadores primordiais, a partir da psicanálise. Iniciativas como o memorial virtual Inumeráveis (https://inumeraveis.com.br/), idealizado pelo artista Edson Pavani e a conta @reliquia.rum da rede social Instagram (https://www.instagram.com/reliquia.rum/), de Débora Diniz e Ramon Navarro, deram a palavra para milhares de pessoas que puderam dizer sobre seus entes queridos, tornando público seu luto e memória. O luto, como ato de memória, é um processo permanente de separação do que lembrar e do que esquecer e que não se dá num tempo determinado pela cronologia e assim,os memoriais, funcionam como ato ético e político de resistência ao coletivizar nossas histórias. Porém, mesmo nas iniciativas tão fundamentais como os memoriais em tempos em que a denúncia da morte é obscena e deve ser silenciada em detrimento da economia, ''que não pode parar'', o testemunho da criança ainda não encontrou seu lugar.  Pelas condições de linguagem da infância, onde a palavra nem sempre é presente, ou como nos aponta Ilana Katz (2021), a ideia “de entrada na linguagem, ou qualquer outro modo de referir o que vem chegando no tempo da infância, ou seja, as diferentes formas de dizer da articulação entre língua e discurso” (p.7) o desafio da escuta de crianças pode frequentemente nos afastar delas. No caso do luto, há ainda a ideia de que não devemos falar com as crianças sobre a morte e que devemos deixá-las distantes das conversas e das manifestações de sofrimento sobre aqueles que elas (e os seus outros) perderam.  Diante dessas questões, o objetivo desse trabalho é discutir, a partir do referencial psicanalítico, a orfandade deslegitimada pelo cenário político do Brasil, onde as crianças que perderam seus pais passam a ser chamados ''órfãos da covid''. O aporte teórico será embasado pelas noções de luto de Freud, Lacan, Jean Allouch e Judith Butler.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.