artigos
Convibra Conference - A experiência escolar não cabe em uma tela, uma criança não cabe dentro de uma casa
A experiência escolar não cabe em uma tela, uma criança não cabe dentro de uma casa

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Pandemia, perdas, luto

Acessos neste artigo: 19


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Flavia Vasconcellos , Isabel Moreira Ferreira

ABSTRACT
A escola é um lugar de ir e vir, um lugar de alternância entre a vida privada da família e a vida pública da pólis, ali também é um lugar para se encontrar com novas versões de Outro, com outros estilos, outras formas de viver o próprio sintoma.
Tudo isso certamente não cabe em uma tela. Não está ao alcance de um click. Não cabe dentro do quarto ou da sala da casa onde vive uma criança.
A experiência escolar sem o espaço da escola foi pervertida: ficaram de fora os encontros, a alternância, o encontro com o diferente, o lugar livre das urgências do mundo; ficou de fora o espaço que é próprio para a contemplação, para a fruição, para o estudo e para a pesquisa, para tudo aquilo que verdadeiramente distingue o espaço escolar dos demais espaços em uma sociedade. 
A emergência sanitária impôs a todos a necessidade de adotarem medidas preventivas e protetivas contra a propagação do vírus; o isolamento social imposto pela pandemia furtou às crianças o lugar social que lhes cabe; tornou o nosso dia a dia um samba de uma nota só, na verdade, esteve mais para um réquiem, considerando o número de mortes que a pandemia, somada a um desgoverno, provocou.
Dentro de casa, em um encontro full-time com a família, tendo as fronteiras entre o público e o privado esgarçadas ao infinito e além, e notícias de que no mundo lá fora pessoas morriam à rodo, as crianças tiveram de se virar como puderam para seguir de alguma forma com a sua vida de criança e de aluno.
Mas, assim como a experiência escolar não cabe em uma tela, as experiências de uma criança não se acomodam bem dentro de quatro paredes, não cabem dentro de uma residência, estão para muito além de um jardim.
Acompanhamos, a partir da experiência que temos no Grupo de Apoio à Escolarização Trapézio com o atendimento de crianças e jovens do ensino fundamental do ensino público que estejam atravessando dificuldades severas em sua escolarização, o efeito de tudo isso sobre a vida subjetiva das crianças e seu impacto sobre as aprendizagens e os laços sociais.
Neste trabalho, pretendemos discorrer sobre os efeitos desses tempos sombrios sobre nossas crianças e jovens, ocupando-nos de refletir sobre o nosso papel diante desse cenário.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.