artigos
Convibra Conference - IMPACTO PSÍQUICO NA DEFICIÊNCIA VISUAL ASSOCIADA À PRIVAÇÃO DA CONVIVÊNCIA COM IGUAIS
IMPACTO PSÍQUICO NA DEFICIÊNCIA VISUAL ASSOCIADA À PRIVAÇÃO DA CONVIVÊNCIA COM IGUAIS

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Pandemia, perdas, luto

Acessos neste artigo: 44


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Priscila Ciocler Froiman

ABSTRACT
Temos como objetivo neste trabalho, analisar impasses na constituição subjetiva de um garoto com deficiência visual, que sofreu, em consequência da pandemia, um agravamento de seu isolamento escolar e social.  Ele , junto com sua família, residem distantes dos centros urbanos. O advento da pandemia, além da sua posição diante da crise matrimonial que vem acontecendo entre o casal parental, fizeram com que o menino ficasse isolado, sem escola, amigos, contato social ou vida cultural. Sua rotina passou a se restringir, além do contato com os adultos que residem com ele, ao estudo do Braille uma vez por semana, a análise feita de forma online e o contato com alguns animais. Aos poucos o garoto foi se tornando refém dos medos e desejos de sua mãe fálica enquanto o pai não conseguia cumprir sua função de corte dando limites a ambos. Gradativamente o isolamento foi aumentando, tornando-o cada vez mais distante dos amigos e do convívio social. Esta alienação que a mãe promove para ele foi amplamente impactada com o advento da pandemia, privando-o, principalmente, do ambiente escolar. A relação vertical com os pais se mantém. Porém, a maneira com que eles se colocam perante a deficiência, associada ao isolamento que a pandemia impôs, deixaram o menino sem opção para fazer parcerias horizontais. Diante de tal isolamento que foi imposto pela mãe, ele acabou escolhendo como objetos de investimento libidinal os animais, tornando-os verdadeiros objetos de identificação e de trocas. Levando em consideração a sobreposição da sua deficiência visual com o isolamento imposto pela pandemia, dos pares crianças, a questão que se coloca quanto ao risco psíquico neste caso vem à tona, fazendo-nos questionar sobre o impacto na constituição psíquica que pode ocorrer em uma criança que tem a vida mediada pela deficiência visual, além de ser privada da convivência com iguais, e o quanto é importante para as crianças que elas sejam mais uma entre outras, em um contexto que só o escolar pode oferecer. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.