artigos
Convibra Conference - DETERMINAÇÃO DA EROSIVIDADE DAS CHUVAS NOS DIFERENTES BIOMAS BRASILEIROS
DETERMINAÇÃO DA EROSIVIDADE DAS CHUVAS NOS DIFERENTES BIOMAS BRASILEIROS

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Ciências do solo

Temas Correlatos: Sustentabilidade ambiental;

Acessos neste artigo: 9


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Dione Pereira Cardoso , Junior Cesar Avanzi

ABSTRACT
Objetivou-se determinar a erosividade das chuvas de 2015 a 2018, mensal e anual, assim como avaliar os períodos críticos para a conservação do solo, nos biomas Amazonas, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pantanal e Pampa, mediante dados de precipitação com intervalos de tempo curtos, inferior a 60 minutos, utilizando o pacoteRainfall ErosivityFactor. Os dados de precipitação com intervalos de tempo ? 60 minutos foram obtidos do Cemaden. Posteriormente, aplicou-se o pacote RainfallErosivityFactor para estimar a erosividade das chuvas. Considerando os diferentes Biomas, a distribuição média mensal da erosividade da chuva foi irregular. O bioma Amazonas foi classificado com erosividade muito forte (13.589,6 MJ mm ha-1 h-1 ano-1), enquanto a Caatinga com erosividade fraca (1.782,4 MJ mm ha-1 h-1 ano-1). Em relação ao total de precipitação, os biomas Cerrado e Caatinga apresentaram os maiores e menores volumes de chuvas erosivas, 89,5% e 80,2%, respectivamente. O mesmo ocorreu para o número de chuvas erosivas de 33,3% (Cerrado) e 20% (Caatinga). A longitude tende aumentar a erosividade da chuva, enquanto, a latitude a tendência é de redução.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.