artigos
Convibra Conference - Hidrólise da Lactose e Formação de Glicose pela ?Galactosidase Imobilizada de Bacillus Licheniformis
Hidrólise da Lactose e Formação de Glicose pela ?Galactosidase Imobilizada de Bacillus Licheniformis

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Biotecnologia

Temas Correlatos: Tecnologia de Alimentos;

Acessos neste artigo: 4


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Aliou Toro Lafia , Adrielle Aparecida Paulista Ribeiro , Larissa Falleiros , Carla Zanella Guidini

ABSTRACT
A intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose e os produtos sem lactose ou contendo quantidade reduzida são produzidos para atender as necessidades dessas pessoas. A produção de produtos lácteos com redução de lactose é feita utilizando a enzima ?galactosidase que tem a capacidade de quebrar a lactose em glicose e galactose. Enzimas são biocatalisadores de alto custo e muito instáveis. O objetivo do trabalho foi avaliar a capacidade hidrolítica da ?-galactosidase de Bacillus licheniformis, na sua forma livre, imobilizada e imobilizada reticulada em resina de troca iônica. O rendimento da imobilização foi de 62%. A enzima livre mostrou uma atividade hidrolítica alta, mas não reutilizável. Enquanto a enzima imobilizada mostrou uma boa atividade e foi utilizada 5 vezes sucessivamente sem perder sua atividade, apresentando diferencia significativa entre usos. Quando a enzima imobilizada foi reticulada com glutaraldeído (2g/L) houve uma diminuição significativa na sua atividade, mas apresentou maior estabilidade em 5 usos sucessivos sem diferencia significativa. A imobilização é um processo benéfico pela recuperação enzimática e sua reutilização, sendo mais estáveis pela reticulação com glutaraldeído. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.