artigos
Convibra Conference - O ensino remoto na pandemia: limites e possibilidades a partir da escuta dos professores
O ensino remoto na pandemia: limites e possibilidades a partir da escuta dos professores

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação

Temas Correlatos: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação;

Acessos neste artigo: 12


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Patricia Da Silva Gomes , Juliana Tassara Berni , Márcio Rimet Nobre , Helena Greco

ABSTRACT
Este trabalho traz reflexões sobre as vivências dos professores no início da pandemia de Covid-19. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, seguindo o referencial teórico da psicanálise: o sujeito constrói um saber no momento mesmo em que fala, saber marcado pela  fantasia e o desejo, bem como por elementos que podem compor a transferência.  Buscamos, através do contato direto com os professores, proporcionar um espaço para que pudessem falar sobre suas vivências e, de alguma forma, elaborá-las a partir do recurso simbólico da fala.  
A escuta dos profissionais permitiu os seguintes recortes: o apagamento dos limites entre o público e o privado, o papel do olhar na transmissão do saber, a transferência e seus efeitos no espaço virtual e o despertar da invenção por meio da potencialidade do digital.
Para os professores, transmitir sem contar com a presença e os olhares dos alunos foi limitador. Entretanto, a adesão  e a participação dos alunos nas aulas foi garantida pela transferência. Os alunos se faziam presentes, aguardando que o professor também assim se fizesse, senão com seu corpo, com sua imagem, escuta e olhar, ainda que  perpassados pela tela. Além disso, no apagamento dos limites entre o público e o privado, o professor precisou expandir sua capacidade de invenção em diferentes direções: além de ter que inventar modos de garantir o engajamento dos alunos,  a partir das potencialidades dos dispositivos digitais, foi preciso lançar mão de novos anteparos, buscando preservar a  privacidade comprometida pelos múltiplos olhares que agora chegavam em seu espaço de recolhimento. É também em termos transferenciais que tais anteparos produzem efeitos, na medida em que permitem manter a dimensão do enigma necessário ao laço e, portanto, ao engajamento dos alunos. Se a pandemia foi um divisor de águas nesse tempo de trabalho ininterrupto para os professores, a monotonia superficial da tela vem exigir um pouco mais de seu desejo para a transmissão do saber.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.