artigos
Convibra Conference - Mal-estar docente diante da estratégia do mercado da formação universitária
Mal-estar docente diante da estratégia do mercado da formação universitária

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação

Acessos neste artigo: 73


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Isael De Jesus Sena

ABSTRACT
O declínio do sentido público da educação e as formas como estabelecemos no Brasil o laço social baseado na lógica da segregação contribuem para que o mercado, com o seu apetite voraz de gozo, transforme a formação universitária em um mercado com fins apenas lucrativos, reduzida à utilidade instrumental, desabitada de desejo. 
Observamos o crescimento do conglomerado de grupos educacionais – que não são poucos – ligados ao mercado educacional sob a forma de financeirização da educação na bolsa de valores, os quais tendem a tratar a educação majoritariamente como uma mercadoria, pois esta pode ser negociada ou capitalizada. “Fábricas de conhecimento” ou “indústrias dos serviços educacionais” são expressões que justificam a formação utilitarista, embora disseminem a ideia de que estão a serviço da democratização do acesso à universidade. Lacan (1968-69) mostrou que a “absolutização do mercado” reduziu a cultura a um valor comercial. “O saber também vale dinheiro”, ou seja, há “um mercado, um mercado do saber”. (p.37). Nesse contexto, é muito comum que o trabalho docente seja exercido por profissionais liberais pouco identificados com a docência, os quais praticam o magistério no tempo “livre”, como horistas, e queixam-se de serem instrumentalizados por meio de contratos de trabalho frágeis, do ponto de vista das garantias dos direitos trabalhistas. Além disso, notamos o crescimento da demissão em massa, uma vez que o professor vem sendo substituído pelas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) associadas aos modos sofisticados de inteligência artificial. O professor, parafraseando Lacan (1992), é um “cúmplice precário” de uma montagem perversa, instrumento e objeto do Outro mercado universitário. De Lacan (1972-73, p. 132), também destacamos o seguinte diagnóstico: “estamos em tempos de Supermarkets, então, temos que saber o que somos capazes de produzir, em matéria de ser”. 


Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Flávia Buechler Tridapalli 22-10-2021 14:37:01

Adorei o resumo Isael! Fiquei curiosa para te escutar mais sobre o professor enquanto cúmplice precário.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.