artigos
Convibra Conference - AUTISMO DA CRIANÇA E LUTO PARENTAL: ALGUNS DESTINOS, ALGUNS SENTIDOS
AUTISMO DA CRIANÇA E LUTO PARENTAL: ALGUNS DESTINOS, ALGUNS SENTIDOS

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Infância, juventude e clínica

Temas Correlatos: Infância, juventude e diversidade;

Acessos neste artigo: 69


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Kelly Macedo Alcantara

ABSTRACT
Os sinais indicadores de autismo e do seu diagnóstico, produzem efeitos subjetivos e discursivos em mães e pais, dentre os quais, o luto diante do significativo desencontro com o filho idealizado. A ilusão dos pais de terem um saber sobre o bebê os ampara na interpretação dos seus comportamentos desde tempos muito precoces, marcando com a linguagem os sentidos que vão atribuindo ao filho. Porém, quando o bebê silencia ou dá sinais sobre os quais seus cuidadores primordiais sentem-se incapazes de interpretar, o sentimento de insuficiência e solidão diante do que se mostra tão estrangeiro se fazem presentes. 
O luto por esse desencontro com o filho sonhado e também com o maternar e o paternar idealizados, parece ceder lugar para a urgência do que fazer diante das diferenças daquela criança, em uma busca a partir de então, intensamente fundamentada pelo discurso do especialista. 
A escassez de lugares de escuta e possibilidade de reconhecimento para o luto parental diante do autismo podem produzir um efeito de silenciamento. O luto vai se dizendo nas entrelinhas do sofrimento dos pais no percurso com a criança, pois é também doloroso enlutar-se explicitamente e experimentar a culpa diante de uma criança viva.
O luto dos pais de crianças autistas passa a ser tratado socialmente a partir de um imperativo de abreviamento, pois é preciso rapidamente se reconciliar com as exigências do cotidiano e suas demandas em nome do filho real e das expectativas sociais sobre as figuras parentais, dentre elas, a de tornar aquela criança mais próxima possível dos ideais de normalidade. 
Esse trabalho propõe-se, portanto, a trazer elementos para a discussão acerca do sofrimento psíquico de mães e pais de crianças autistas e de aspectos do processo de luto que pode ser vivenciado por eles diante dos impasses na relação com o filho e com o diagnóstico. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.