artigos
Convibra Conference - Quando medicar é não dizer: a subjetivação tamponada no mal-estar docente.
Quando medicar é não dizer: a subjetivação tamponada no mal-estar docente.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação

Temas Correlatos: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação;

Acessos neste artigo: 71


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Roberta Freire , Paula Porto Barbosa

ABSTRACT
A medicalização da infância é um tema cada vez mais presente no cenário  educacional. Medicalizar as crianças, nos coloca a pensar sobre a tentativa de apagamento da  subjetividade do sujeito e sobre o mal-estar que permeia a prática docente. Diversos estudos têm analisado o atravessamento do ato médico na educação de  crianças e jovens que esbarram na dificuldade de estarem inseridos num ideal de aluno frente  ao processo de aprendizagem nas escolas. O cotidiano  escolar tem sido invadido pelo enfoque do não-saber e entraves do processo de escolarização.  Aqueles alunos que apresentam dificuldades no processo de aprendizagem são ligados ao  discurso médico e à patologização da educação, não mais estendendo o olhar da escola sobre a  possibilidade destas dificuldades como parte do processo de aprender e do ato de ensinar.  A partir disso, este trabalho busca  compreender quais podem ser as fontes do mal-estar docente no ambiente escolar que  corroboram a considerar necessário o encaminhamento para a área médica dos alunos que  apresentam dificuldades de aprendizagem.
Sendo assim, torna-se importante promover reflexões sobre quais são os motivos que possam  determinar, dentro do processo de escolarização, o encaminhamento de crianças e adolescentes  aos serviços de saúde. E, ainda, verificar o que leva a escola à inclinar-se ao discurso médico e  à medicalização do não-aprender ao invés de priorizar a escuta dos seus alunos e professores.  A fim de sustentar teoricamente este trabalho foi escolhida a teoria psicanalítica e os conceitos dos estudos de Freud, por considerar fundamental pensar sobre a influência do  inconsciente no comportamento humano e na subjetivação existente na esfera psíquica do  sujeito e como metodologia será utilizada a pesquisa bibliográfica.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.