artigos
Convibra Conference - Porque Deus Me Fez Assim, Dona de Mim: Um Estudo Sobre o Empoderamento de Meninas e a Igualdade de Gênero no Ensino Médio
Porque Deus Me Fez Assim, Dona de Mim: Um Estudo Sobre o Empoderamento de Meninas e a Igualdade de Gênero no Ensino Médio

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Terceiro Setor e Responsabilidade Social

Temas Correlatos: Administração Pública;

Acessos neste artigo: 95


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Joselia Rita Da Silva , Rafael Soares Salles

ABSTRACT
O presente trabalho teve como objetivo compreender como a igualdade de gênero é vivenciada no cotidiano escolar por alunas de cursos técnicos integrados ao ensino médio. Essa escolha refere-se ao fato de que vivemos em uma sociedade na qual ainda ocorrem inúmeras situações de discriminações e limitações do gênero feminino, o que acarreta perdas incontáveis para a sociedade de um modo geral. Para tanto, aplicamos a pesquisa em uma unidade escolar do Noroeste Fluminense, por meio de técnicas quantitativas e qualitativas, buscando compreender como a escola aborda e promove a igualdade de gênero em seu cotidiano. Os resultados apontam para a ocorrência de situações de distinção entre os gêneros, mas aponta para uma consciência das alunas em relação a seus direitos, espaços e competências.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Diane Carla Da Silva Alves 27-10-2021 09:33:42

A escolha do tema é muito relevante visto que, de acordo com BARBON (2021), 1/3 das mulheres assassinadas no Brasil no ano de 2020, morreram apenas por ser mulher. Ou seja, é de extrema importância o debate acerca da temática do empoderamento feminino no âmbito escolar, para que as meninas se conscientizem, desde cedo, sobre seu espaço, seus direitos em meio a uma sociedade patriarcal. Parabéns pelo trabalho. Referência: BARBON, Júlia. Um terço das mulheres assassinadas no Brasil morre apenas por ser mulher. Folha de S. Paulo, Rio de Janeiro, 16, jul. 2021. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2021/07/um-terco-das-mulheres-mortas-no-brasil-morre-apenas-por-ser-mulher.shtml>. Acesso em: 27 Out. 2021.

Foto do Usuário Diogo Barros Azevedo 03-11-2021 11:31:12

Primeiramente, parabéns aos autores pelo trabalho. Gostei muito do tema escolhido, acredito que somente por meio de estudos que escancaram como a masculinidade envolve o cotidiano das pessoas desde a nascença o estabelecimento de políticas será possível, isso o trabalho fez muito bem. Gostei muito que também tocou, ainda que brevemente, no âmbito religioso, já que meu trabalho aqui inserido trata do tema. Isso reforça que a religião atua como uma força sobre as pessoas de diversas formas e as consequências dessa ação precisam ser melhor estudadas.

Foto do Usuário Marineide De Oliveira Aranha Neto 03-11-2021 16:53:16

As figuras e quadro precisam ser numeradas e Nomeadas com Título acima delas. Figura 1: Distribuição das respondentes por cursos. O tema é relevante e atual, bem apresentado, metodologia adequada (gostei da utilização de grupo focal). Parabéns.

Foto do Usuário Gabriela Machado Daniel Da Cruz 11-11-2021 07:13:56

Infelizmente, todas nós, mulheres, passamos diariamente por diversas situações como as que foram relatadas no trabalho, de julgamentos totalmente descabidos pelo simples fato de sermos mulheres! Eu tenho uma sensação de alívio pelo fato de grande parte das pessoas não tratarem mais isso como algo normal (apesar de estarmos longe do ideal, já é um grande passo). Parabéns pelo trabalho!

Foto do Usuário Isadora Aparecida Silva 16-11-2021 22:16:19

Meus parabéns pelo trabalho, um assunto muito relevante e foi tratado de uma forma tão leve, que ficou uma leitura super agradável. Um fato que me chamou a atenção que foi abordado na pesquisa, é em relação aos principais lugares apontadas pelas entrevistadas como sendo os locais onde sofrem discriminação e a grande maioria citou que é na própria família e na escola, locais os quais em essência deviam incentivar a igualdade de gênero e fornecer acolhimento em detrimento a situação. Conforme a pesquisa mencionou tais locais são citados na Constituição Federal de 1988 como os responsáveis pela formação e educação do ser em desenvolvimento, porém eles estão sendo os espaços onde ocorrem mais situações de discriminação. Fica então o questionamento se tais locais que são responsáveis pela formação das pessoas são ainda apontados como os espaços de relações sociais onde mais ocorrem situações discriminatórias, como promover a igualdade de gênero se as práticas escolares não se adaptam e contribuem para mitigar tal situação?

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.