artigos
Convibra Conference - Educando e ensinando na pandemia e pós-pandemia: O pequeno infante escolar quinze anos depois
Educando e ensinando na pandemia e pós-pandemia: O pequeno infante escolar quinze anos depois

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação

Temas Correlatos: Infância, juventude e clínica;

Acessos neste artigo: 14


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Roberta Ecleide De Oliveira Gomes Kelly

ABSTRACT
Em 2006, a partir da Sociologia da Primeira Infância (educação e ensino da família e da instituição escolar), indicou-se o conceito pequeno infante escolar – subjetividade pós-moderna para a primeira infância, estimulada por ideais neoliberais de perfeição e empreendedorismo e avalizada pelos especialistas (profissionais de saúde e educação). Intensamente estimulada, a “nova infância”, esquadrinhada pela ciência e pelo mercado, foi solapada com a Pandemia da Covid 19. Profundas alterações ocorreram no funcionamento das famílias, questionando tal futuro promissor e o objetivo deste estudo é compreender as mudanças ora impostas. Em paralelo às idealizações do pequeno infante escolar, acentuaram-se a medicalização e patologização da infância em quaisquer sinais de alteração de neurodesenvolvimento (a mudança no termo desenvolvimento neuropsicomotor indica o reducionismo epistemológico, enfatizando o processo neurológico em detrimento do psíquico).  Em suma, na Pandemia – crianças sem escola, pais em trabalho remoto ou sem trabalho, aprendizagem remota, diferenças de acesso para classes vulneráveis –, as nomeações diagnósticas começam a se fazer cada vez mais presentes. Dentre elas o Transtorno do Espectro Autista que, na proximidade da CID 11, identifica alterações persistentes na interação social, na comunicação recíproca e padrões de comportamento e interesses restritos, sem especificar se quantitativas ou qualitativas. Se o processo de subjetivação implica na experiência de educação e ensino horizontais (pares de mesma faixa etária) e verticais (adultos cuidadores), como diferenciar transtornos mentais e a condição das crianças pandemizadas? A escola foi e é o espaço que conhece a diversidade etária, com a habilidade de manejo das dificuldades. Na sua ausência, sem os educadores que, do espaço escolar, levavam estratégias aos que educam no espaço doméstico, qual o limite dos especialistas e dos diagnósticos? 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.