artigos
Convibra Conference - Inclusão e suposição de sujeito: reflexões a partir do discurso de professoras.
Inclusão e suposição de sujeito: reflexões a partir do discurso de professoras.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação especial e educação inclusiva

Temas Correlatos: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação;

Acessos neste artigo: 82


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Marcos Abraão Borges Santos , Júlia Maciel

ABSTRACT
As questões em torno da inclusão escolar lançam luz sobre a necessidade de reinventar os aspectos considerados importantes para a efetividade e afetividade dos processos inclusivos. Especificamente para o autismo e de acordo com o DSM-5, onde há déficits persistentes na comunicação e na interação social em contextos diversos.

Partindo da noção de suposição de sujeito, fundamental para o processo de subjetivação, o presente trabalho tem por objetivo apresentar a relação entre inclusão e suposição de sujeito a partir do discurso de professoras na inclusão de alunos com Transtorno do Espectro Autista em São Luís/MA em 2019. Participaram da pesquisa, devidamente aprovada por comitê de ética em pesquisa, quatro professoras dos anos iniciais do ensino fundamental em escolas públicas municipais, que responderam a uma entrevista individual realizada a partir de roteiro semiestruturado, gravadas em áudio e, posteriormente, transcritas e analisadas a partir do referencial teórico da Análise Institucional do Discurso.

Nota-se que nas atribuições feitas pelas professoras aos alunos há um aspecto antecipatório que cria espaços em que a aprendizagem será possível. Por vezes, essa suposição aparece à medida em que comportamentos são lidos como porta-vozes do desejo do aluno. Certa professora diz “ele não quer, então aí o que ele faz... ele bate... uma defesa, né... pra mostrar pra ela... não quero fazer, não insiste”. Outra participante descreve uma cena onde “ele ficava assim e apalpava e abatia o pé e a mão assim muito intensamente. Eu dizia: Já vou, meu amor, você está me chamando, eu já vou. Então, eu entendi que.. ele... aquela era a maneira dele me chamar.”

Assim, nota-se a relevância de considerar o aspecto da suposição de sujeito ou ainda da suposição de possibilidade de inclusão visto que é a partir desse lugar que a constituição psíquica opera no laço com o outro por meio de quem o Outro faz-se marcar em cada ser na linguagem.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Tatiana Lins Serra Cattapan 07-10-2021 21:24:31

Boa noite, Muito interessante esta abordagem partindo da suposição de sujeito, visto que o laço social acontece e se constrói a partir deste outro que faz esta suposição. Observo esta experiência acontecer também na escola onde trabalho. Supor um sujeito em sua singularidade, é bem diferente de ter um olhar sobre o aluno reduzindo-o a um diagnóstico, padronizando respostas de como lidar com o aluno a partir do diagnóstico ou não investir porque não se sabe o que fazer. Muito bacana!

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.