artigos
Convibra Conference - ‘Gig economy’ e a Perspectiva do Capital Humano uma Análise para uma Estratégia de Empregabilidade
‘Gig economy’ e a Perspectiva do Capital Humano uma Análise para uma Estratégia de Empregabilidade

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão estratégica

Temas Correlatos: Gestão estratégica de Recursos Humanos;

Acessos neste artigo: 95


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Rafaela De Almeida Araújo , Márcia Zabdiele Moreira

ABSTRACT
Este ensaio teórico tem como objetivo discutir a interface entre a Teoria do Capital Humano e a ‘gig economy’ como forma de aquisição de competências e a sua relação com a empregabilidade dos indivíduos. Como procedimento metodológico utilizou-se a revisão bibliográfica que apresentou uma escassez de estudos que abordem as temáticas em conjunto. A partir das discussões apresentadas, foi possível perceber que a temática do capital humano, apesar do seu potencial para explicar diversas condições no mercado de trabalho, que vão desde a vantagem competitiva que as empresas podem ter ao recrutar e manter empregados diferenciados, até a segurança da empregabilidade pelo grau de especialização e diferenciação por parte do indivíduo, ainda carece de estudos. A partir do estudo conclui-se que com o novo modelo econômico da “era desruptiva”, torna-se necessária a aquisição de um maior capital humano por parte dos trabalhadores para se desenvolver no novo modelo de trabalho da “gig economy” e assim manterem sua empregabilidade. Assim, apesenta-se como contribuições a necessidade do desenvolvimento dos estudos do capital humano, além de trazer como contribuição para a Gestão de pessoas, com um foco na aquisição de talentos, ao invés apenas visar a redução do custo de mão de obra e operações.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Marineide De Oliveira Aranha Neto 21-10-2021 15:23:29

Eu gostei bastante da temática escolhida. Interessante, atual e relevante. Achei que a estruturação do trabalho poderia ficar melhor se alguns parágrafos e frases fossem mais curtas (pg 5 e 8 têm parágrafos enormes''. Me ficou uma questão: Frente à tendência crescente de que o número de trabalhadores freelancers ou ''de bico'' como vocês apresentaram, supere o número de vínculos tradicionais, as pessoas terão que se qualificar mais e por conta própria, ou os trabalhos demandarão cada vez menos do capital intelectual?

Foto do Usuário Carla Costa Dos Santos Lopes 25-10-2021 11:19:26

Tema bastante instigante e com grande relevância para os interessados no assunto. Acredito que poderiam ter incluído um comparativo entre o ''trabalho formal'' e o ''trabalho através de plataformas digitais'', sendo estes expressos através de tabela mostrando a evolução no decorrer dos anos.

Foto do Usuário Rosely Cubo Pinto De Almeida 05-11-2021 20:13:52

Nas análises que versam as referidas interfaces se apresentam altamente relevantes. Parabéns pela versatilidade temática.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.