artigos
Convibra Conference - Grupo interativo pais-bebê na creche: os vários sentidos do “limite” no desenvolvimento infantil e a função do semelhante.
Grupo interativo pais-bebê na creche: os vários sentidos do “limite” no desenvolvimento infantil e a função do semelhante.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Infância, juventude e clínica

Temas Correlatos: Infância, juventude e diversidade;

Acessos neste artigo: 65


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Fabiana Sampaio Pellicciari , Patricia Moratti

ABSTRACT
O grupo interativo pais-bebê inserido no âmbito da Pesquisa “Tratar e Educar em tempos de Autismo”, coordenada pela profa. Maria Cristina Kupfer, investigou a realização do acompanhamento de pais e bebês no campo educativo, por meio da Educação Terapêutica, como alternativa de leitura e intervenção, com a premissa de intervir o mais cedo possível, de modo a evitar que entraves possam se instalar no laço entre o bebê e seus cuidadores, visando a promoção da saúde mental.
As intervenções seguiram uma orientação horizontal entre os participantes, em que as coordenadoras serviram apenas de mediadoras, primando pela não patologização, favorecendo as falas usadas no cotidiano dos próprios pais com seus filhos, dando lugar a seus saberes e suas dúvidas no decorrer dos grupos, sem patologizar e evitando a sobreposição do saber do especialista. Dessa forma, permitiu a identificação entre os pares que versaram sobre diversos assuntos, atravessados recorrentemente, por um tema específico: o limite. Este surgiu em variados significados, a depender de como cada pai ou cada mãe, tomou a palavra para dizer o que inquietava na relação com seus filhos.
Tal abordagem, consonante com o tema da atual pesquisa (Educação Terapêutica com crianças em situação de inclusão) e também como um eixo do instrumento APEGI: a função do semelhante, que marca a importância da presença dos pares, na sua semelhança para com uma criança, para daí demarcar o que há de diferente nesta relação, favorecendo, assim, um reconhecimento de si, essencial para a constituição psíquica dos pequenos. No caso do grupo interativo pais-bebê possibilitou ligar o que há em comum entre as questões apresentadas entre os pais (tema sobre o limite) ao mesmo tempo que desdobrou uma abertura para outras acepções possíveis, favorecendo dissoluções de certezas prévias e um melhor reconhecimento do lugar de pais.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.