artigos
Convibra Conference - A escuta em grupo na Educação: uma aposta na circulação da palavra
A escuta em grupo na Educação: uma aposta na circulação da palavra

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação

Temas Correlatos: Formação e trabalho de profissionais da infância;

Acessos neste artigo: 68


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Talita Rodrigues Da Silva , Cristiane Ferrao Lazarini Campos , Maria Aparecida Rocha Silva

ABSTRACT
O resumo discute uma intervenção educacional, decorrente de demanda institucional (AGUIAR; ALMEIDA, 2006). As autoras são psicólogas e compõem uma equipe multidisciplinar da Secretaria de Educação de São Bernardo do Campo. A ação foi nomeada como Plantão Educacional e conduzida conjuntamente pelas autoras. Foi ofertada para 30 escolas municipais da região do Grande Alvarenga. Desse modo, o trabalho foi conduzido em grupos, com periodicidade quinzenal. A adesão aos espaços foi voluntária, de modo que qualquer educador com vínculo institucional poderia participar de um ou mais encontros. Com o enquadre da psicanálise lacaniana (LERNER et al., 2014; MIRANDA, 2010), o trabalho apresentado se estendeu de setembro de 2020 a julho de 2021, totalizando 11 encontros. Sobre a composição dos Plantões Educacionais, houve adesão de membros da equipe gestora, professoras do ensino regular, auxiliares e inspetoras. Destaca-se que os grupos foram compostos integralmente por mulheres, sendo a maior parte docentes do regular (FERRAZ; DINIZ, s/d). Neles, emergiram significantes importantes ao fazer pedagógico e dotados de investimento imaginário frente aos desafios impostos pela pandemia ocasionada pela covid-19. Este cenário levou ao distanciamento social e, consequentemente, instituiu-se como política pública em Educação a inserção do trabalho remoto para os educadores, gerando demandas para a efetivação de um ensino apartado das interações e mediações, que compunham a rotina educacional (ANDRADE; CARDOSO, 2016). Como resultados preliminares, os encontros trouxeram um discurso, em que imperava a impotência. A fim de sustentar a falta do Outro, mecanismos compensatórios compuseram a teia discursiva, apontando a um estado de esgotamento decorrente da imposição de “dar conta de tudo”. Em mais de um encontro, as educadoras expuseram o quanto a profissão estava emaranhada ao sentido do “cuidar do outro”. Por fim, puderam explorar a chegada à Educação a partir da perspectiva do “cuidado”.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Silvano Messias Dos Santos 22-10-2021 19:40:01

Meninas, que projeto de intervenção interessante! Alguns professores do meu convívio comentam a importância do acolhimento em grupo que também tiveram na escola: eram encontros para que socializassem suas experiências, angústias, expectativas, em relação a questões escolares e do cotidiano. O Plantão Pedagógico conduzido por vocês tinha alguma intenção terapêutica? Quais foram os desdobramentos dessa escuta coletiva? Fiquei curioso...

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.