artigos
Convibra Conference - Empreendedorismo Feminino: Estratégias Para Lidar com a Multiplicidade de Papéis
Empreendedorismo Feminino: Estratégias Para Lidar com a Multiplicidade de Papéis

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Empreendedorismo e inovação

Temas Correlatos: Empreendedorismo e inovação;

Acessos neste artigo: 96


Certificado de publicação:
Certificado de Myriam Angélica Dornelas

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Myriam Angélica Dornelas , Isadora Aparecida Silva , Patrícia Carvalho Campos

ABSTRACT
O presente trabalho teve como objetivo traçar o perfil das empreendedoras e empreendimentos das participantes do workshop “Empreendedoras em Ação”, e investigar as estratégias utilizadas para lidar com a multiplicidade dos papéis exercidos e conhecer possíveis sentimentos intrínsecos. O arcabouço teórico do presente estudo abordou sobre o empreendedorismo feminino no Brasil e sobre a multiplicidade de papéis enfrentadas pelas mulheres na condução de seus negócios. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, descritiva e caracterizada como um estudo de caso. Visando responder ao objetivo proposto, utilizou-se como método de coleta de dados o questionário misto que foi aplicado para um total de 39 empreendedoras. Concluiu-se que o perfil das empreendedoras é caracterizado como sendo brancas, casadas, com filhos, com idade entre 35 e 54 anos, com nível de escolaridade elevado (superior ou mais), com renda entre R$ 2.995,00 até R$ 5.988,00 e possuem familiares empreendedores. Em relação à multiplicidade de papéis, elas se sentem divididas emocionalmente entre as exigências do trabalho e da família, porém, comumente, o cônjuge ajuda nas tarefas domésticas, no cuidado com os filhos e, além disso, auxilia em forma de informações, conselhos e incentivos. Com tais conclusões obtidas no presente trabalho, esperou-se ter alcançado uma maior compreensão sobre o tema e um maior conhecimento sobre o grupo de empreendedoras pesquisadas. Ainda assim, acredita-se que há muito a ser estudado sobre este assunto, isto porque o empreendedorismo feminino aliado à multiplicidade de papéis, juntamente com os sentimentos oriundos são assuntos bastante interessantes e que merecem um estudo aprofundado, já que se trata de um tema em ampla discussão na atualidade.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Laíse Do Nascimento Silva 19-10-2021 16:27:22

O trabalho possui potencial e relevância no campo de estudo do empreendedorismo feminino, tema que tem ganhado espaço nas produções científicas. Considero que deve ser melhor explorado as limitações e de que forma pode se ampliar para outras fontes de pesquisa. Quais dificuldades foram encontradas na realização desse estudo? Poderia ser explorado aspectos quantitativos no que tange ao instrumento de pesquisa?

Foto do Usuário Márcia Marisa Corrêa 27-10-2021 12:10:19

O trabalho está centrado na análise do 'Workshop / Empreendedoras em Ação', e na aplicação de um questionário a 39 empreendedoras nele participantes. Ao longo do texto as autoras resgatam uma gênese interessante sobre o assunto e nas considerações finais ponderam - de acordo com as pesquisas feitas - que mesmo reconhecendo o empoderamento feminino pelo empreendedorismo, as pesquisadas sofreram por romperem com os 'papeis' estabelecidos pela sociedade ao gênero feminino.

Foto do Usuário Ana Caroline Salviano Ramos 05-11-2021 22:58:13

A discussão sobre o empreendedorismo feminino é fundamental, uma vez que o empreendedorismo no Brasil é responsável por uma grande parcela da geração de emprego e renda. Ademais, o empreendedorismo feminino vem crescendo nas mais diversas atividades. Com esse crescimento, se faz necessário evidenciar os desafios enfrentados pela mulher empreendedora, sobretudo por ter que desempenhar múltiplos papéis. O artigo é interessante e está bem estruturado. Despertou a curiosidade sobre a realização da análise dos dados qualitativos. A análise qualitativa dos dados foi realizada em etapas? Seria possível detalhar como ela aconteceu? Excelente artigo. Parabéns!

Estudo bastante relevante diante do crescimento das mulheres dentre os empregadores e trabalhadores por conta própria (formais e informais) brasileiros. Estudos do Sebrae apontam que em 2003 a mulheres representavam cerca de 29% desse segmento, em 2018, passaram a ser 34%. Um ponto a se observar é que a pesquisa foi caracterizada com uma abordagem qualitativa. Entretanto, os dados coletados a partir do questionário com parte das questões fechadas e a tabulação desses dados no excel acredito que a caracteriza também como quantitativa além da abordagem qualitativa.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.