artigos
Convibra Conference - A relação transferencial entre professor e alunos ditos com deficiência: impasses e possibilidades
A relação transferencial entre professor e alunos ditos com deficiência: impasses e possibilidades

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação especial e educação inclusiva

Temas Correlatos: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação;

Acessos neste artigo: 85


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Candice Marques De Lima

ABSTRACT
Na educação inclusiva, os alunos ditos com deficiências parecem suscitar incômodos e criar impasses, que vão desde sua inserção na escola comum, até a relação transferencial com seus professores. Nessa pesquisa, busca-se compreender como esses alunos podem ser vistos pelo docente e como isso impacta em sua inclusão e na transferência que aí se estabelece. É compreensível que as deficiências – física, sensorial ou casos que tenham diagnósticos de psicose ou de autismo, produzam no docente um mal-estar. Nesse sentido, a teoria psicanalítica pode trazer contribuições para se pensar a educação de maneira geral e a educação inclusiva, a partir de conceitos como inconsciente, transferência, entre outros. No dia-a-dia é comum imaginar que as pessoas – se não são totalmente iguais, são muito parecidas. As pessoas sem deficiências geralmente convivem mais entre si e por isso acreditam que fisicamente se é igual, salvo as diferenças a que se está habituado. Essas experiências cotidianas fazem parte do registro imaginário, no qual haveria uma especularidade entre eu-outro, como se esse outro, o semelhante, fosse sua extensão e a imagem de si mesmo. Por outro lado, quando se depara com alguém muito diferente, pode surgir um outro efeito nessa especularidade, conforme escrevem Korff-Sausse (2010) e Lajonquière (2010), pois esse outro é tão diferente que pode causar afetos bastante contraditórios e deixar quem com ele se depara sem saber o que fazer ou o que falar. Nas situações de sala de aula, o professor pode pensar que seria impossível ensinar um aluno que tenha essas características. Nesse sentido, a angústia, que muitas vezes imobiliza o professor em sua relação transferencial com alguns alunos, poderia se transformar em trabalho, em possibilidades de práticas na sala de aula que tornem possível o ensino, caso o docente tenha condições de entendê-las como possíveis e passíveis de acontecer e possa se deslocar do lugar de inibição ou de incapacidade para um outro lugar.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Débora De Souza Santos Madeira 11-11-2021 09:08:11

Maravilhosa problematização. Quando nos atentamos somente a falta, aquilo que se convencionou chamar de deficiência...desprezamos o que há?

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.