artigos
Convibra Conference - Afinal, o que possibilita a uma criança ocupar o lugar de aluno? Fragmentos do trabalho de acompanhamento terapêutico de uma criança autista em seu percurso escolar.
Afinal, o que possibilita a uma criança ocupar o lugar de aluno? Fragmentos do trabalho de acompanhamento terapêutico de uma criança autista em seu percurso escolar.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação especial e educação inclusiva

Temas Correlatos: Mal-estar contemporâneo e impasses na educação;

Acessos neste artigo: 73


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Silvia Bicudo

ABSTRACT
Sabemos que foi somente a partir da Declaração de Salamanca, em 1994, que o direito de toda e qualquer criança à escola foi estabelecido. De lá para cá muito se tem estudado, pesquisado e praticado para que a concretização de tal direito se dê para além de uma configuração protocolar. 

É verdade que o fato de uma criança estar matriculada e frequentar uma escola, não garante, por si só, que seja efetivamente vista e tratada pela comunidade escolar como aluna. Para que isso possa acontecer, é necessário ao menos um educador que a suponha nessa posição: aguçando sua curiosidade, convocando seu desejo de aprender, apostando em suas contribuições e descobertas, interditando quando necessário e assim por diante. Mais ainda, é essencial que tal educador sustente essa posição mesmo – e principalmente – quando a criança não corresponder às expectativas nela depositadas.
Ocupar a posição de aluno é uma construção que se dá na relação e pela relação da criança com seus interlocutores numa via de mão dupla. No caso de crianças com algum entrave psíquico, como psicoses e autismos, essa construção fica ainda mais evidente na medida em que esses funcionamentos, por suas particularidades de funcionamento, convocam ainda mais os educadores à (re) invenção. 

Diante deste contexto, o presente trabalho discorre sobre como esta construção se dá na prática, a partir da apresentação de fragmentos do acompanhamento terapêutico de uma criança autista, por mim realizado, em seu percurso escolar na educação infantil. 
Partindo das dificuldades que a criança em questão se deparou no início de seu processo de alfabetização, apresentarei de que forma o olhar frustrado das professoras para tais dificuldades puderem se transformar, com a ajuda do trabalho de acompanhamento terapêutico, em criação, convocando a criança a uma produção autoral, por elas reconhecida e que teve como efeito na criança, a possibilidade de se engajar enquanto “mais um aluno” da sala. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Marlon Cortes 26-10-2021 00:15:51

É interessante a sua perspectiva para pensar aos autistas. ¿Cuándo uma pessoa começa a ser um aluno? É interessante saber que não é à entrada do menino à escola. Eu tenho várias perguntas: 1. Desde o qué perspectiva o aluno autista é um entrave psíquico? 2. O qué é “trabalho de acompanhamento terapêutico”? Na qué posição estive o terapeuta no trabalho com os professores? Obrigado.

Foto do Usuário Rosana Nascimento De Sousa 27-10-2021 12:48:32

No que se refere a frustração dos professores é um sentimento pertinente aos profissionais em relação aos estudantes com deficiência diante de estarem ''moldados'' aos curriculos poucos inclusivos e que pouco vislumbram a educação integral do aluno-sujeito.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.