artigos
Convibra Conference - Silicato de potássio aliviando o déficit hídrico sobre o crescimento inicial de mudas de Dipteryx alata Vog.
Silicato de potássio aliviando o déficit hídrico sobre o crescimento inicial de mudas de Dipteryx alata Vog.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Fisiologia

Acessos neste artigo: 129


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Marcio Santos Da Silva

ABSTRACT
A escassez hídrica é uma das principais causas para cessar o crescimento e desenvolvimentos das plantas, fazendo com que seu potencial genético seja reduzido. Assim, faz se necessário o uso de agentes que possam agir como atenuante aos danos causados nas plantas, dentre eles o silício.  Objetivou-se avaliar o efeito do silicato de potássio (K2SiO3) no crescimento de mudas de Dipteryx alata Vog. sob déficit hídrico. Foram estudados quatro regimes hídricos: Irrigação contínua – IC: realizada diariamente, Déficit hídrico – DH, caracterizado pela suspensão hídrica, Déficit hídrico – DH + 0,75 mL de K2SiO3 e Déficit hídrico - DH + 1,50 mL de K2SiO3. As mudas foram avaliadas em quatro períodos: (1) tempo zero (T0 – início do experimento), período antes de iniciar a suspensão da irrigação, (2) suspensão da irrigação até que a taxa fotossintética (A) das mudas sob déficit  apresentassem valores próximos à zero (F0), (3) realizou-se a retomada da irrigação até que os valores de A fossem próximos ao das mudas sob irrigação contínua, caracterizando o período de recuperação (REC) e (4) as mudas foram mantidas sob irrigação contínua por mais 45 dias após a REC (FIM). A área foliar não foi afetada durante o déficit hídrico, sendo que após a irrigação as folhas recuperaram sua turgência. O K2SiO3 promoveu incremento na qualidade e desenvolvimento das mudas de D. alata durante o déficit hídrico. As mudas apresentaram capacidade de recuperação do crescimento, independente do uso do K2SiO3.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Rayka Kristian Alves Santos 16-04-2021 22:01:22

Importante avaliação para o cenário atual da agricultura, trabalhos que avaliem métodos para minimizar a deficiência hídrica são sempre necessários, pois podem ser explorados em regiões onde essa condição é severa e a possibilidade de irrigação é mais difícil.

Foto do Usuário Natália Fernandes Rodrigues 23-04-2021 16:41:22

Excelente! Gostaria de saber como foi determinada a quantidade de silicato de potássio utilizada. Obrigada!

Foto do Usuário Bruno Sousa Figueiredo Da Fonseca 11-05-2021 11:43:25

O Silicato de potássio um produto solúvel sendo desenvolvido para elevar a produtividade, o trabalho demostra uma estratégia categórica sobre o déficit hídrico, sendo uma alternativa de assertiva para o determinado problema.

Foto do Usuário Amanda Soares Santos 14-05-2021 16:34:36

O trabalho enfatiza um tema bastante interessante para a agricultura; estratégias para mitigar os efeitos do déficit hídrico. Sendo o silício um elemento benéfico com bastante potencial neste quesito. No entanto, surge algumas considerações, o processo de avaliação do estresse hídrico poderia ter sido realizado de outra forma, ao invés de manter o déficit hídrico até a taxa de fotossíntese liquida ficar nula. Vejamos, como a cultura é uma planta de metabolismo C3 quando os estômatos fecham e não há entrada de CO2 a fotossíntese tende a reduzir, porém este é um mecanismo de defesa contra o estresse hídrico, assim surge a dúvida se o período foi realmente suficiente para causar um estresse considerável na cultura. Assim aconselhamos em trabalhos futuros avaliar o dano de membrana, prolina, radicais livres, para estipular o nível de estresse da planta. Ademais, outra estratégia seria a aplicação fracionada do silício, pois o silício é pouco móvel na planta, portanto demanda um tempo considerável para a pronta absorção e utilização pelas plantas.

Foto do Usuário Víctor Alves Amorim 11-06-2021 17:44:29

É importante pesquisar sempre, porém, na minha opinião, em relação ao Si, é mais notório a participação deste elemento em espécies do grupo das monocotiledôneas, por serem acumuladoras de silício.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.