artigos
Convibra Conference - Análise Econômica De Toona Ciliata Var. Australis: Uma Abordagem Estocástica
Análise Econômica De Toona Ciliata Var. Australis: Uma Abordagem Estocástica

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Agronegócios

Temas Correlatos: Economia agrícola;

Acessos neste artigo: 37


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Lucas Rodrigues Da Silva , Rafaele Almeida Munis , Felipe Soares Cavalcante , Danilo Simões

ABSTRACT
A cultura de Toona ciliata var. australis demonstra-se como promissora no setor florestal brasileiro para reflorestamentos comerciais. Assim, foi análisado se o plantio de Toona ciliata var. australis em florestas plantadas por monocultivo é economicamente viável. Deste modo, o projeto de investimento utilizou de coeficientes técnicos econômicos da floresta plantada, com espaçamento de 3,5m x 3,5m para um hectare, com desbastes sistêmicos e corte raso da floresta plantada. Logo, ponderou-se um horizonte de planejamento de 15 anos, em um fluxo de caixa caracterizado como não convencional. Conseguinte, incertezas foram acrescidas à análise por meio do método de Monte Carlo. Foram considerados métodos quantitativos tradicionalmente adotados para projetos de investimentos em ativos biológicos, como a Taxa Mínima de Atratividade, resultada em um valor médio de 7,32%, o Valor Presente Líquido médio de USD 2.565,38 ± 889,47, que resultou positivamente em 100% dos cenários simulados, uma taxa interna de retorno modificada média de 8,05 ± 0,61% e um período de recuperação do capital investido de 14,7 ± 0,08 anos. Portanto, a cultura de Toona ciliata var. australis demonstra-se como uma alternativa de investimento viável economicamente.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Amanda Rezzieri Marchezini 11-05-2021 20:20:06

Artigo muito bom e muito bem explicado! Gostaria de saber se teria como fazer a mesma análise de viabilidade para outras culturas florestais, assim como a pré-determinação de fluxo de caixa não convencional?