artigos
Convibra Conference - DESENVOLVIMENTO DO MILHO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE GESSO EM SOLO SEM TOXIDEZ DE ALUMINIO
DESENVOLVIMENTO DO MILHO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE GESSO EM SOLO SEM TOXIDEZ DE ALUMINIO

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Ciências do solo

Acessos neste artigo: 43


Certificado de publicação:
Certificado de Felipe Quartucci

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Marcos Vinicius De Barros Oliveira , Felipe Quartucci

ABSTRACT
RESUMO: O milho é o segundo grão mais plantado no Brasil. O manejo de fertilidade e acidez de solo garantiram grandes incrementos de produtividade, com destaque para o manejo da acidez de subsolo com gesso. No entanto, o gesso agrícola vem sendo aplicado também em áreas sem toxidez de alumínio e com níveis adequados de cálcio em subsuperfície. Neste sentido, este trabalho objetivou avaliar o efeito de diferentes doses de gesso no desenvolvimento da cultura do milho em solos sem toxidez de alumínio. O experimento foi implantado em Itapetininga-SP, em vasos de 18 litros, em delineamento em blocos casualizado e 4 repetições. O solo utilizado no experimento possuía textura argilosa e não possuía alumínio em solução. Os tratamentos foram: T1) sem aplicação de gesso (testemunha); T2) metade da dose e; T3) dose recomendada. Aos 50 dias após a semeadura, foram avaliados a altura, massa verde da parte aérea e crescimento do sistema radicular até os 15 cm e mais profundo que 15 cm. Os resultados obtidos mostraram que não houve diferença estatística entre os tratamentos para as variáveis altura de plantas, massa verde de parte aérea e massa verde de raízes 0-15 cm. No entanto, para a massa verde de raízes >15cm e massa verde de raízes total, os resultados indicam diferenças estatísticas entre os tratamentos, onde o T3 diferiu estatisticamente do T1. Já o T2 foi estatisticamente igual ao T1 e ao T3. Os resultados indicam possível resposta para doses intermediárias entre 50% e 100% da dose recomendada. O gesso pode ser recomendado em áreas sem toxidez de alumínio, com efeitos positivos no desenvolvimento do sistema radicular e possível redução de stress hídrico. Há potencial de redução da doses e, portanto, sugerem-se novas pesquisas com doses intermediárias entre a dose recomendada e metade da dose.
Palavras chave: Acidez trocável. Cálcio. Sistema radicular. Zea mays.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Ivo Jose Basso Junior 16-04-2021 18:57:02

Excelente artigo, agregará bastante conhecimento à agricultura!

Foto do Usuário Bruna Barbosa Dos Santos 03-05-2021 14:35:00

Trabalho muito esclarecedor sobre o tema, válido para a discussão sobre a recomendação e eficiência.

Foto do Usuário Daniel Henrique Leite 04-05-2021 11:48:41

Trabalho muito bom, de grande importância e de grande impacto.

Foto do Usuário Tatiana Ramos De Jesus 29-05-2021 15:55:47

Muito bom o artigo. Apresenta boa aplicação a campo, muito importante para áreas que podem sofrer com veranicos.

Foto do Usuário Raniel Costa Da Silva 18-06-2021 03:34:38

Excelente Trabalho, de grande importância e relevância para o setor agrícola. Gostaria de saber o que levou a escolha pela adoção dos vasos para o experimento, em vez condições de campo?