artigos
Convibra Conference - Avaliação de variedades resistentes de videira ao míldio no Alto Vale do Rio do Peixe, SC.
Avaliação de variedades resistentes de videira ao míldio no Alto Vale do Rio do Peixe, SC.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Fitopatologia

Acessos neste artigo: 33


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Eliane Rute De Andrade , André Luiz Kulkamp De Souza , Valdecir Perazzoli , Marco Antonio Dal Bó

ABSTRACT
A principal doença da videira no Brasil é o míldio, causada pelo fungo Plasmopara viticola, que em condições climáticas favoráveis causa perdas de até 100% na produção, com redução acentuada no vigor e produtividade das plantas. Para diminuir ou até evitar os danos causados pela doença, é necessário adotar medidas preventivas de controle, que se baseiam principalmente no uso periódico de fungicidas, o que dependendo do ano pode chegar a mais de vinte pulverizações por safra. Uma alternativa em videira para diminuir ou até eliminar a aplicação de fungicidas no controle do míldio é o plantio de variedades resistentes às doenças (PIWI). Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a tolerância ao míldio em sete variedades de uva, sendo seis PIWI e uma testemunha medianamente resistente a doença (‘Isabel’). Pelos resultados obtidos observou-se que todas as variedades PIWI tiveram menor severidade de míldio em relação à ‘Isabel’, sendo que a GF15 e GF24 tiveram a menor incidência da doença com 30% e 43,33%, respectivamente e menos de 5% de severidade da doença. As demais variedades tiveram um comportamento intermediário com relação ao míldio. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Jacqueline Dalbelo Puia 15-04-2021 19:03:38

O trabalho em questão esta bem descrito e com clareza

Foto do Usuário Tais Ferreira De Almeida 16-04-2021 16:46:59

O trabalho apresenta Coerência e contribuição científica. Parabéns pelo trabalho!

Foto do Usuário Gilson José Marcinichen Gallotti 19-04-2021 17:34:27

Os dados são relevantes e contribuem para seleção de variedades mais resistentes à Plasmopara viticola. Sugiro nos próximos estudos correlacionar dados climáticos (precipitação, temperatura, etc) com a severidade da doença. Pergunto, alem das avaliações de incidência e severidade nas folhas, tem algum informação da infecção nos cachos?

Foto do Usuário Sabrina Pariz 21-04-2021 01:13:18

Trabalho bem elaborado, interessante e informativo, parabéns aos autores envolvidos. Uma sugestão, apenas para acrescentar o conteúdo do trabalho poderia colocar qual seria em média a economia do produtor em relação a pulverização, utilizando cultivares resistentes. E uma pergunta, quais seriam os tipos de sintomas da videira causados pelo míldio que foram observados para elaborar o estudo?

Foto do Usuário Isaac Lima Simões De Vasconcelos 22-04-2021 12:46:21

Excelente trabalho, simples e objetivo, resultados de muita importância agrícola.

Trabalho bem escrito e discutido, atendendo ao objetivo proposto.

Foto do Usuário Renata Mori Thomé 12-05-2021 17:52:04

Parabéns pelo trabalho, muito bem escrito, o leitor consegue entender a ideia central do trabalho sem dificuldades. Trabalho muito relevante, visto que o míldio é uma das doenças mais importantes da videira.

Foto do Usuário Martha Maria Passador 13-05-2021 13:42:54

O trabalho está bem escrito e permite um bom entendimento do estudo proposto. Metodologia e resultados estão descritos de maneira coerente. Este é um trabalho que irá contribuir para estudos relacionados à fitopatologia e viticultura. Parabéns aos autores pelo trabalho.

Foto do Usuário Estela Mariani Klein 13-05-2021 14:28:22

Parabéns pelo trabalho! Bem escrito e objetivo. Uma dúvida, os sintomas da doença surgiram sob condições naturais?

Belo trabalho. retrata uma região do país mas tambem dá uma orientação de como correlacionar com outras regiões

Foto do Usuário Francisca Elisângela Maniçoba 04-06-2021 00:03:37

Trabalho bem escrito e relevante. Parabéns aos autores! Minha sugestão é explanar um pouco na introdução sobre as variedades resistentes já utilizadas pelo produtores na região de estudo. Minha dúvida é: das seis variedades testadas, alguma já é utilizada pelos produtores da região?

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.