artigos
Convibra Conference - IMPLEMENTANDO BOAS PRÁTICAS EM IMUNIZAÇÃO EM SALA DE VACINA DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA ACADÊMICA
IMPLEMENTANDO BOAS PRÁTICAS EM IMUNIZAÇÃO EM SALA DE VACINA DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA ACADÊMICA

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação, formação e treinamento em saúde

Acessos neste artigo: 31


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Isabelle De Souza Januária , Myllene Aparcida Leite De Souza , Paula Fernandes De Souza

ABSTRACT
RESUMO: O tema “Segurança do Paciente” entrou na agenda política, no Brasil, desde a
mobilização da Anvisa/MS junto à Organização Mundial da Saúde (OMS) que orientam a
identificação de ações que ajudem a evitar riscos para os pacientes. Assim, esse tema vem sendo
desenvolvido sistematicamente pela Anvisa, desde 2004, com a publicação das diretrizes
estabelecidas pelo Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), em 2013. Sabe-se que
o processo de trabalho, em sala de vacina, é complexo e requer atenção para realização de
procedimento que seja seguro tanto para o paciente quanto para o profissional. Esse estudo
pretende relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem ao implementar, junto à equipe de
enfermagem de uma Unidade Básica de Saúde, as boas práticas em imunização e segurança do
paciente. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, a partir da prática
clínica de acadêmicos de enfermagem, realizada no período de fevereiro a maio de 2019, que
possibilitou observar a necessidade de discutir processo de trabalho em sala de vacina quanto
as boas práticas em imunização e segurança do paciente. Realizou-se roda de conversa junto
aos profissionais, momento em que identificou-se discrepâncias no conhecimento dos
profissionais que atuam na sala de vacina, além de dúvidas acerca do processo de trabalho.
Elaborou-se o documento intitulado “Os 13 Certos em Sala de Vacina” utilizado para o debate
durante a roda de conversa, transformado em banner e entregue à equipe de enfermagem e
gerente, sendo afixados em locais estratégicos da sala de vacina. A estratégia de roda de
conversa possibilitou aos profissionais de enfermagem atualizar os conhecimentos, esclarecer
dúvidas acerca do processo de trabalho em sala de vacina e a refletir sobre o tema em direção
à uma prática mais segura em imunização. A experiência possibilitou aos acadêmicos
identificar as dificuldades e dúvidas reportadas pelos profissionais, evidenciando a importância
da educação permanente e continuada para os profissionais. Contribuiu para que os acadêmicos
refletissem sobre a prática em imunização e entender a importância do enfermeiro como gestor
da equipe de enfermagem e responsável técnico pela sala de vacina.
Descritores: Vacinação. Programas de Imunização. Segurança do Paciente. Pessoal de Saúde.
Educação continuada. 
INTRODUÇÃO:
Atenção Primária à Saúde (APS), lócus privilegiado para ações de prevenção de doenças
e promoção de saúde, tem sido destacada como porta de entrada do sistema de saúde devendo
ser o primeiro contato das pessoas com o sistema. Esse nível de atenção representa um ponto
cada vez mais complexo no sistema, considerando as suas especificidades e as demandas, cada
vez mais crescente, da população que busca por cuidados.
Dentre as ações de prevenção destaca-se uma das mais eficazes que é a imunização.
Observa-se ampliação do calendário vacinal de imunização, ao longo da história do Programa
Nacional de Imunização (PNI), com inclusão de uma diversidade de imunobiológicos para
todos os ciclos vitais. Imunobiológicos são produtos seguros, eficazes e bastante custo-efetivos
em saúde pública, contribuindo para a erradicação e redução de diversas doenças
imunopreveníveis. Porém, a eficácia e segurança dos imunobiológicos dependem do manejo e
administração corretos, para conferir a imunização dos indivíduos, evitando-se eventos
adversos.
Sabe-se que o processo de trabalho, em sala de vacina, é complexo e requer atenção
para realização de procedimento que seja seguro tanto para o paciente quanto para o
profissional. Para que este processo ocorra com eficácia e segurança, as atividades de
imunização devem ser cercadas de cuidados, adotando-se procedimentos adequados antes,
durante e após a administração dos imunobiológicos¹. O tema “Segurança do Paciente” entrou
na agenda política, no Brasil, desde a mobilização da Anvisa/MS junto à Organização Mundial
da Saúde (OMS) que orientam a identificação de ações que ajudem a evitar riscos para os
pacientes. Assim, esse tema vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Anvisa, desde
2004, com a publicação das diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Segurança do
Paciente (PNSP), em 2013².
OBJETIVO:
Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem ao implementar, junto à equipe de
enfermagem de uma Unidade Básica de Saúde (UBS), as boas práticas em imunização e
segurança do paciente.
METODOLOGIA:
Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, a partir da prática clínica
de acadêmicos de enfermagem, realizada no período de fevereiro a maio de 2019, que
possibilitou observar a necessidade de discutir processo de trabalho em sala de vacina quanto
as boas práticas em imunização e segurança do paciente. A partir da demanda do cenário de
práticas acadêmicas, foram organizados pelos acadêmicos, sob supervisão docente, o material
e a metodologia a serem utilizadas para abordagem do tema. Foi definida como estratégia de
abordagem a metodologia da roda de conversa. Além disso, realizou-se revisão de literatura
utilizando Manuais da ANVISA e PNI, que subsidiaram a elaboração do documento intitulado:
“Os 13 Certos em Sala de Vacina”, utilizado para debate durante a roda de conversa e que
possibilitou discutir o processo de trabalho em sala de vacina. Foram realizados dois encontros,
sendo um no período da manhã e outro no período da tarde com intuito de abranger todos os
profissionais da UBS.
RESULTADOS E DISCUSSÕES:
A partir da vivência acadêmica, durante a prática clínica, observou-se a necessidade de
discutir sobre as demandas e processos de trabalho em uma UBS, quanto as atividades de
imunização, o que possibilitou desenvolver um plano de ação como contribuição acadêmica ao
cenário de práticas. Para o desenvolvimento do plano de ação foi utilizada a metodologia de
roda de conversa, que se mostrou uma ferramenta potente no desenvolvimento da educação
permanente e continuada para os profissionais da APS, considerando a participação ativa desses
profissionais. Importante enfatizar alguns aspectos que otimizaram essa participação, quais
sejam: o tema abordado foi uma demanda dos próprios profissionais da UBS, em comum acordo
com a enfermeira e gerente, além da garantia de espaço na agenda e de local apropriado para
realização da atividade.
Durante a realização da roda de conversa, percebeu-se discrepâncias no conhecimento
dos profissionais que atuam na sala de vacina, devido a alguns terem maior experiência que
outros. Além disso, percebeu-se dúvidas acerca do processo de trabalho, quanto a administração
de várias vacinas ao mesmo tempo, locais de administração, dentre outras, bem como quanto a
interrelação das atividades em sala de vacina com as boas práticas e segurança do paciente.
Assim, elaborou-se o documento intitulado “Os 13 Certos em Sala de Vacina”
(APÊNDICE) que contemplaram-se os seguintes tópicos: 1. Armazenamento e conservação
certo das vacinas, 2. Organização certa das caixas térmicas para acondicionar vacinas de uso
diário, 3. Organização certa dos materiais e insumos para sala de vacina, 4. Acolhimento certo
dos clientes, 5. Cadastro certo do cliente, 6. Registro certo das doses de vacinas administradas,
7. Aprazamento certo das próximas vacinas, 8. Cliente certo, 9. Vacina certa, 10. Preparo certo
das vacinas, 11. Dose certa, 12. Administração certa e 13. Orientações certas. Esse documento,
utilizado para o debate durante a roda de conversa, foi transformado em banner (APÊNDICE),
entregue para a equipe de enfermagem e gerente da UBS, sendo afixados em locais estratégicos
da sala de vacina.
CONCLUSÃO:
Diante deste cenário, fica evidente a necessidade de ampliar a cultura de segurança do
paciente na APS capacitando profissionais para reconhecerem e gerenciarem as boas práticas
em imunização, reduzindo assim eventos adversos, erros e tensões entre profissionais e
população. A estratégia de roda de conversa possibilitou aos profissionais de enfermagem
atualizar os conhecimentos, esclarecer dúvidas acerca do processo de trabalho em sala de vacina
e a refletir sobre o tema em direção à uma prática mais segura, tanto para o paciente quanto
para o profissional, contribuindo para a melhoria da qualidade da assistência. A experiência
possibilitou aos acadêmicos identificar as dificuldades e dúvidas reportadas pelos profissionais,
evidenciando a importância da educação permanente e continuada da equipe assistencial para
a atualização e realização de condutas seguras para o paciente e profissional dentro da sala de
vacina. Além disso, contribuiu para que os acadêmicos refletissem sobre a prática em
imunização e entender a importância do papel do enfermeiro como gestor da equipe de
enfermagem e responsável técnico pela sala de vacina.
REFERÊNCIAS:
1Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação / Ministério
da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças
Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 176 p. : il.
²Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica
Aplicada à Prática. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2017.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Aderlaine Paiva De Souza 09-02-2021 12:50:35

Um dos maiores erros dentro da Atenção Básica está na sala de vacinação, a proposta de trazer os 13 certos para a sala de vacinação é uma proposta super interessante, para a segurança do Paciente.

Foto do Usuário Monise Queiroz Brito De Souza 09-02-2021 12:50:35

Ótimo trabalho! Os profissionais precisam estar sempre se atualizando, principalmente, quando se trata da segurança do paciente. Por isso, a educação permanente é essencial!

Foto do Usuário Marilene Lopes Vieira 09-02-2021 12:50:35

A sala de vacinas é um setor de alta complexidade na unidade de saúde, exige conhecimento e atualização permanente da equipe de enfermagem. Excelente trabalho, parabéns aos envolvidos!