artigos
Convibra Conference - Estudo das características do comportamento de ingestão alimentar em estudantes do ensino de educação física e desporto em confinamento devido a Covid 19
Estudo das características do comportamento de ingestão alimentar em estudantes do ensino de educação física e desporto em confinamento devido a Covid 19

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Educação Física, Nutrição, Fisioterapia e áreas afins na Gestão, Educação e Promoção da Saúde

Acessos neste artigo: 28


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Paulo Tibério Armando Saveca , Fernando Pacheco Montero , Vicente Alfredo Tembe

ABSTRACT
RESUMO
O ambiente de confinamento devido a pandemia de Covid-19 leva os indivíduos a recorrer a ingestão alimentar de formas diferenciadas. O presente trabalho tem como objectivo analisar a ingestão alimentar em estudantes em confinamento devido a COVID 19. Participaram no estudo, 158 estudantes do curso de Educação Física e Desporto do Instituto Médio de Desporto e Educação Física de Moçambique dos quais 54.4% do sexo masculino e 45.6% do sexo feminino. Para avaliar os comportamentos alimentares utilizou-se o Questionário Holandês do Comportamento Alimentar (QHCA) de Van Strien et al. (1986) adaptado por Vasconcelos-Raposo et al. (2009). Na estatística procurou-se obter a consistência interna com recurso a Alfa de Cronbach, nível de valorização das dimensões com recurso a média e desvio padrão assim como valor da prova das dimensões no contexto sexo com recurso a T-Test e ANOVA. Os resultados demonstraram o QHCA com o valor de Alpha de Cronbach de 0.73; no contexto sexo não foram detetadas diferenças estatisticamente significativas nas dimensões de ingestão alimentar; no topo da hierarquia das dimensões de ingestão foi encontrado a ingestão externa com 2.44±0.41; a análise de variância multivariada da ingestão alimentar dos estudantes das três delegações apresentaram Wilks’ Lambda=0.90, F(6.306)=2.621, p=0.017. O teste Post Hoc, identificou na dimensão ingestão restrita p=0.020 e ingestão emocional p=0.003. Conclui-se que o QHCA apresentou consistência interna aceitável; os estudantes valorizaram a ingestão externa, não existindo diferenças estatisticamente significativas da ingestão alimentar no contexto sexo; no contexto delegação existem diferenças estatisticamente significativas na abordagem da ingestão emocional e restrita.
Palavras-chave: Confinamento, Ingestão alimentar, COVID-19, estudante

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Daniele Vieira Francisco 09-02-2021 12:50:35

Excelente temática, bastante atual e relevante. Parabéns!

Foto do Usuário Jônatas De França Barros 09-02-2021 12:50:35

Artigo contempla publicação e bem escrito nos itens no sistema de avaliação.