artigos
Convibra Conference - Avaliação da qualidade de vida e das condições sociodemográficas e clínicas das pessoas após alta da hanseníase
Avaliação da qualidade de vida e das condições sociodemográficas e clínicas das pessoas após alta da hanseníase

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Políticas Públicas de Saúde

Acessos neste artigo: 31


Certificado de publicação:
Certificado de Carmen Sílvia Campos Almeida Vieira

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Teresa Celia De Mattos Moraes Dos Santos , Carmen Sílvia Campos Almeida Vieira , Eliete Maria Silva , Silvia Maira Pereira

ABSTRACT
A manutenção da hanseníase como problema de saúde pública nos países endêmicos está relacionada aos aspectos socioeconômicos, culturais, estilo de vida e percepções pessoais, fatores imprescindíveis para qualidade de vida. O objetivo do estudo foi avaliar a relação entre o perfil sociodemográfico, perfil clínico e as alterações funcionais com a qualidade de vida das pessoas após alta medicamentosa da hanseníase. Estudo ecológico, analítico com 210 sujeitos, de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 15 anos, que realizaram tratamento em 11 municípios, do estado de São Paulo. Foram utilizados: formulário de identificação, avaliação neurológica simplificada, prontuário médico, instrumento WHOQOL-100 Bref e escala de dor. Para análise dos dados, aplicaram-se os testes Kruskal-Wallis, seguidos do pós-teste de Dunn e Mann-Whitney Os resultados demonstraram que a hanseníase acomete pessoas economicamente ativas, com baixa condição socioeconômica e escolaridade. Verificou-se que o diagnóstico foi realizado tardiamente, nas formas multibacilares, com presença de deficiências físicas, dor, reação hansênica e doenças associadas. A qualidade de vida é prejudicada em todos os domínios, sendo mais acometidos os domínios ambiente e psicológico. No ambiente, os mais prejudicados foram os municípios de prioridade 1 (57,13), gênero feminino (55,83), baixa renda (50,00), problema alimentar (48,59) e dor (49,67). Já no domínio psicológico foram os analfabetos (58,52), com problemas de saúde (61,87) e diabetes (57,55). Conclui-se que os aspectos sociodemográficos e clínicos interferem na qualidade de vida das pessoas após alta medicamentosa da hanseníase, o que demonstra a necessidade de atenção mais ampliada e qualificada à população dos municípios estudados.

Palavras-chave: Hanseníase; Pessoas com deficiência; Epidemiologia; Qualidade de vida.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Tangriane Hainiski Ramos 09-02-2021 12:50:35

O presente trabalho possui todas as estruturas necessárias ao trabalho científico. Traz contribuição sólida para área.

Foto do Usuário Ingrid Ney Kramer De Mello 09-02-2021 12:50:35

Artigo muito relavante para a área. A apresentação dos resultados é clara. O processo de coleta de dados e os instrumentos utilizados são descritos com clareza. Apresenta desenho do estudo apropriado para atingir os objetivos propostos. A seleção e composição da amostra estão adequadamente descritas.

Foto do Usuário Ludmila Rodrigues Oliveira 09-02-2021 12:50:35

O tema apresentado é de extrema relevância, o texto foi muito bem estruturado com uma escrita dinâmica que proporciona uma leitura clara e objetiva. Meus cumprimentos aos autores.

Foto do Usuário Yanka Karoline De Melo Santos 09-02-2021 12:50:35

O trabalho aborda um tema de extrema relevância, a partir do momento que analisa a qualidade de vida dos pacientes que tiveram hanseníase, atentando para a necessidade da continuidade do cuidado mesmo após a alta. Além disso foi bem escrito e estruturado, manteve uma linguagem de fácil compreensão e contemplou todos os tópicos necessários. Excelente!

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.