artigos
Convibra Conference - Perfil dos indivíduos envolvidos em acidentes de automóveis no Brasil
Perfil dos indivíduos envolvidos em acidentes de automóveis no Brasil

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Indicadores Sociais de saúde

Acessos neste artigo: 31


Certificado de publicação:
Certificado de Maria Clara Biccas Braga
Certificado de Shayra Tofano Monteiro
Certificado de Marina de Barros Pretti

Certificado de participação:
Certificado de Maria Clara Biccas Braga

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Maria Clara Biccas Braga , Shayra Tofano Monteiro , Marina De Barros Pretti

ABSTRACT
INTRODUÇÃO: Frente à rapidez do mundo moderno, a logística das metrópoles possui uma
demanda de agilidade, ao mesmo tempo em que cada vez mais pessoas frequentam as vias
públicas de transporte. Tal cenário, associado ao predomínio do sistema rodoviário no Brasil,
é condizente com o aumento de acidentes automobilísticos. OBJETIVO: Estabelecer o perfil
dos indivíduos envolvidos em acidentes de automóveis no Brasil. MÉTODO: Estudo
descritivo retrospectivo, com dados epidemiológicos, realizado em junho de 2020 a partir das
publicações do PubMed, da Biblioteca Virtual em Saúde e da SciELO, de 2015 a 2020, em
inglês e português. Pesquisa efetuada a partir do cruzamento dos descritores “traffic accident”,
“mortality” e “Brazil”, efetuando a exclusão por título, resumo e repetição, sendo encontrado
um “n” de 19 artigos. Os dados encontrados foram comparados com os obtidos no DATASUS
através da caracterização do perfil dos indivíduos que mais sofrem acidente de carro nos anos
de 2015 a 2018, levando em consideração idade, sexo, estado civil e raça. RESULTADOS:
Foi constatado que o perfil dos envolvidos em acidentes de carro consiste em homens brancos,
solteiros, de 20 a 39 anos. O predomínio de homens explica-se pela teoria da seleção sexual
de Darwin, já que, na história, houve uma tendência maior desse sexo em competir para
conquistar as fêmeas e lutar, tornando-os mais propensos a se envolverem em situações de
risco [3] . Os números do DATASUS [1] apontam que 18.805 pessoas sofreram acidentes de
carro no período de 2015 a 2018, sendo 78,5% homens e 22,5% mulheres. Da mesma forma,
os valores apontados pelo caderno de saúde, o qual analisou a cidade de Belo Horizonte, [2]
demonstram que 82,2% dos envolvidos são do sexo masculino e 17,8% são do sexo feminino.
Ao analisar os dados do DATASUS, [1] foi encontrado que, em média, os indivíduos que
possuem de 20-39 anos correspondem a 44,99% dos acidentados. Esses valores vão ao
encontro dos publicados no Caderno de Saúde Pública [2] , que aponta essa faixa etária como
sendo vítima de 45,6% dos acidentes. Já em relação ao estado civil, no DATASUS [1] foi
encontrado que 45,38% são solteiros, o que condiz com as informações do Caderno de Saúde
Pública [2] , que afirma que 68% das vítimas são solteiros ou divorciados. Tanto os dados
referentes à idade quanto ao estado civil podem ser justificados pelo fato de que esse grupo é
o que possui uma vida social e econômica mais ativa, o que resulta em uma maior utilização
de carros, principalmente a noite, além de um alto índice de consumo de álcool. Segundo
dados da variável ''raça'' no DATASUS, [1] o número de acidentes de automóvel envolvendo
brancos e pardos é cerca de 21 vezes maior do que pretos. A partir desses dados, é possível
inferir que tal resultado é decorrente da desigualdade socioeconômica, que se reflete no poder
de compra de automóveis. Um artigo da revista Ciência & Saúde Coletiva [2] afirma que 60%
das vítimas de moto são pretas. Sendo assim, conclui-se que se apresentam em menor número
por não utilizarem muito automóveis e optarem por motocicletas devido a determinantes
sociais e econômicos. CONCLUSÃO: Traçar o perfil epidemiológico dos envolvidos em
acidentes é uma valiosa ferramenta para direcionar o governo na criação de intervenções,
minimizando os impactos desse mal. Nesse contexto, destaca-se a importância de conciliar
planos no âmbito da saúde, do ensino e do tráfego.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Bianca Franco Rosa Borges 09-02-2021 12:50:35

Ótimo resumo e assunto escolhido, trás dados bastante atuais de uma das principais urgências e emergências do Brasil, parabéns! Como sugestão, penso que deveria ser revisada a estrutura de um resumo expandido.

Foto do Usuário Alyne Maria Figueira De Alencar 09-02-2021 12:50:35

Tema super interessante e atual! Parabéns pela escolha! Obs.: nas referências, ao final de cada uma, faltou o ponto.

Foto do Usuário Anando Rodrigues De Carvalho 09-02-2021 12:50:35

O estudo aborda um tema atual e importante. Sugestão - Acrescentar politicas públicas realizadas no país sobre o tema. Pergunta - Qual a região do país que há mais casos de acidentes?

Foto do Usuário Raquel Rivera Carvajal 09-02-2021 12:50:35

Estudio interesante. Utilizaron una guía para evaluar los estudios vinculados al análisis como STROBE, CONSORT, u otra guía según el tipo de diseño. Todos los datos que reportaron los sumaron y luego calcularon los porcentajes, habría posibilidad de tener información de estos siniestros en una base de datos nacionales y tener mas variables como cumplimiento de normas de transito, uso de elementos de protección personal

Foto do Usuário Astrid Nathalia Páez Esteban 09-02-2021 12:50:35

O resumo está bem estruturado, porem nosmétodos não fica claro se usaram dados primários ou secundários, breve descrição dos achados. Acho que ficaria mais claro falar de perfil sociodemografico , pois só reportam sexo, ,idade e raça.

Foto do Usuário Gabriel Burin Arnaut 09-02-2021 12:50:35

Parabens pelo trabalho. Voces acreditam que medidas educativas poderão surtir efeito nos condutores? Ou medidas punitivas mais rigidas podem ajudar a resolver?