artigos
Convibra Conference - DAS HIPÓTESES ÀS PROPOSIÇÕES: DESVENDANDO CONCEITOS E FORMULAÇÕES
DAS HIPÓTESES ÀS PROPOSIÇÕES: DESVENDANDO CONCEITOS E FORMULAÇÕES

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Ensino e Pesquisa em Administração

Acessos neste artigo: 98


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Vania Regina Morás

ABSTRACT
As ciências sociais é uma das formas de se obter acesso ao conhecimento. Assim, definir uma abordagem teórica que direcione uma pesquisa no campo das ciências sociais é um desafio para os pesquisadores. Deste modo, o presente ensaio teórico tem como objetivo abordar as proposições e hipóteses, no que tange os conceitos e formulações, abordando os desafios e as dificuldades encontradas nas ciências sociais. Portanto, este estudo permite ao investigador, adquirir e inteirar-se às finalidades tanto das proposições como das hipóteses e identificar o seu devido uso no desenvolvimento das pesquisas científicas. Cabe ressaltar que não tem como finalidade descaracterizar o uso de um ou outro tipo e, sim ao contrário discutir as possíveis aplicações em favor da construção de uma pesquisa que se quer coerente e adequada. Esse estudo possibilita ao investigador conhecer e optar pela formulação de suas pesquisas por meio de hipóteses ou proposições, portanto é necessário, que o investigador esteja consciente de suas possibilidades, limites e implicações pela escolha. Conclui-se que não existe um consenso entre os autores sobre um único conceito para hipótese e um único conceito para proposição. Mas sim, vários conceitos que se assemelham ao tocante do objetivo e propósito final das hipóteses e proposições quanto a pesquisa. Por fim, ao considerar a abordagem epistemológica das pesquisas nas ciências sociais, as hipóteses tendem a serem desenvolvidas em pesquisas positivistas e caracterizam-se por declarações mais concretas e operacionais, e são construídas a partir de variáveis especificas. Enquanto, as proposições tendem a ser desenvolvidas em pesquisas anti-positivistas com abordagem qualitativas, tendem a ser mais abstratas e abrangentes, desenvolvidos a partir de constructos.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Paola Brusco Ribeta 09-02-2021 09:50:35

Como sugestão, trago a seguinte: Evite o uso de apuds. Eles não são bem vistos na escrita acadêmica.

Foto do Usuário Maria Natalia Ferreira Da Silva 09-02-2021 09:50:35

O resumo está bem escrito e mostra um fato interessante: é necessário que o investigador esteja consciente de suas possibilidades, limites e implicações pela escolha da pesquisa e das proposições ou hipóteses. A introdução está bem escrita, mas extensa. Os tópicos “conceituando e formulando hipóteses” e “conceituando e formulando proposições” foram bem escritos, referenciados e explorados. Também é relevante o fato da autora ter explorado a contraposição em relação às abordagens. As considerações finais relatam um fato interessante ao mostrar que não é possível definir um único conceito, pois existem as controvérsias entre autores. Atentar-se à falta e ao uso indevido de vírgulas. Falta de crase. Quanto às referências, apenas uma é mais recente: Köche, J. C. (2016). Sugestões: Enxugar a introdução; explorar artigos que contemplem o estado da arte (publicações nos últimos 5 anos e, de preferência, internacionais. Ao terminar o ensaio teórico com perguntas não pode ficar confuso para o(a leitor(a)? Ele(a) saberá responder às perguntas a partir da pesquisa?

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.