artigos
Convibra Conference - PRINCÍPIOS CLÁSSICOS E CIENTÍFICOS DA ADMINISTRAÇÃO E AS GARANTIAS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS AOS TRABALHADORES NO CHÃO DE FÁBRICA
PRINCÍPIOS CLÁSSICOS E CIENTÍFICOS DA ADMINISTRAÇÃO E AS GARANTIAS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS AOS TRABALHADORES NO CHÃO DE FÁBRICA

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Teoria das Organizações

Acessos neste artigo: 30


Certificado de publicação:
Certificado de Aline Kárem Santos Carvalho

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Laíse Do Nascimento Silva , Maria Kélvia Ferreira De Araújo , Mariella Sousa Da Silva , Lucas Felipe Santos Moreira , Aline Kárem Santos Carvalho , Denílson Do Nascimento Ferreira , Ronielle Medeiros Rocha , Antonio Ribeiro De Lima Júnior , Jane Gabriela Soares De Lemos , Pedro Eduardo Bitencourt Gomes

ABSTRACT
A Abordagem Clássica constituiu-se modelo científico pioneiro na área da administração. Composta pelas teorias de Taylor e Fayol, se voltavam para o chão de fábrica e a estrutura, respectivamente. Estas teorias adotaram princípios que modificaram as formas de trabalho, tais como o estudo da fadiga humana e as condições de trabalho, divisão do trabalho, superespecialização, desenho de cargos e tarefas, incentivos salariais e prêmios de produção, supervisão funcional, sistemática de remuneração, equidade e espírito de equipe e remuneração de pessoal. Mesmo nos dias atuais ainda perduram-se a aplicação dessa abordagem nas organizações, assim como os direitos trabalhistas que notificam diretrizes reguladoras das atividades laborais de forma a prezar pela qualidade de vida dos colaboradores. Partindo disso, elencou-se como problemática: Existe no campo prático das fábricas uma visível combinação das premissas básicas da abordagem clássica da Administração às recomendações trabalhistas constitucionais? Objetivou-se analisar a combinação dos princípios clássicos da administração às normas e garantias constitucionais junto às fábricas localizadas no município de Piripiri, no Piauí. Fez-se uso de uma metodologia quantitativa de cunho descritivo, tendo enquanto procedimento técnico a pesquisa de campo. Houve aplicação presencial de um questionário composto por 13 perguntas junto a 45 colaboradores participantes de 04 fábricas, sendo 25 participantes de três fábricas de confecção e outros 20 de outra do ramo extrativista, tabulado por meio da ferramenta Excel. Concluiu-se que existe ligação entre os princípios da Teoria Clássica e as normativas trabalhistas presentes na CF/88, que se mostraram divergentes devido as empresas estudadas serem dotadas de características distintas no ramo de atuação.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

Princípios clássicos e científicos da administração e as garantias dos direitos fundamentais aos trabalhadores no chão de fábrica O artigo tem como pontos positivos a abordagem inovadora, ao associar a CLT aos princípios clássicos da administração e a adoção de alguns autores respeitados e muito adotados nas instituições de ensino superior para o ensino de teoria da administração, como Maximiano e Chiavenato. Incentiva-se a manutenção do espírito investigativo e a escolha por temas importantes para reflexão e ação, como os escolhidos pelos autores. Recomenda-se, como aprimoramento, rever a redação (há alguns problemas de concordância, de gramática, de colocação pronominal, como: “O Modelo Clássico da Administração formulada (sic) e divulgada (sic)”; ”;”O objetivo desta pesquisa foi analisar a relação entre as premissas das Clássica (sic)”; “ainda perduram-se” a aplicação, “como pode-se”; “mas pode-se”, falta de crase – exemplo:” tanto a (sic) proteção coletiva como individual”; “Quanto a (sic) remuneração”; “Quanto a (sic) garantia de hora extra”);. Em alguns parágrafos nos quais se descreve a evolução da teoria ou se apresentam informações conceituais faltam as fontes (ex.: o início do parágrafo introdutório, já citado no exemplo acima: “O Modelo Clássico da Administração formulada (sic) e divulgada (sic)”; “Outra teoria surge na França em meados de 1916” Ajustes de citação e referência: FILHO e JÚNIOR não são sobrenomes, mas agnomes – devem ser apresentados com o último sobrenome que vem antes de Filho e de Júnior. No caso em tela: ARAÚJO; SOUZA FILHO (2018) e PEREIRA; SOUZA DE JÚNIOR (2019). O negrito dos títulos se encerra antes dos dois pontos. Em Rohm e Lopes (2015), ajustar: na citação, está 2014. O correto é 2015. Recomenda-se que as entradas das citações e das referências sejam as mesmas – então, verificar SEBRAE – as citações começam com a sigla abreviada, mas nas referências, inicia-se com o nome por extenso. Idem com relação às citações em que se inicia com CLT quando o correto é BRASIL Padronizar as referências – há uma que está em itálico (Edwards) – deixar apenas negrito, visto terem adotado tal padrão. Falta negritar o título do Decreto-Lei 5.452, de 1º de maio de 1943. Com relação à pesquisa, houve apresentação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido? Em caso positivo, deve constar essa informação no artigo. Se não houve, há um problema com relação ao que se estabelece pelo Conselho Nacional de Pesquisa para pesquisas com pessoas.

Foto do Usuário Cassiana Santos Da Silva Farias 09-02-2021 12:50:35

O artigo discute uma temática importante para o contexto do trabalho e para as teorias organizacionais. Porém é preciso retomar os princípios básicos para a construção do conhecimento cientifico (QUIVY; CAMPENHOUDT, 1995) um deles diz respeito a relevância do método para explicar o fenômeno. QUIVY, R.,CAMPENHOUDT, L. V. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva, 1995.