artigos
Convibra Conference - PIB PER CAPITA DAS NAÇÕES: A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO E DA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO
PIB PER CAPITA DAS NAÇÕES: A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO E DA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Administração Pública

Acessos neste artigo: 17


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Silvana Silva Vieira Tambosi , Jandir Tambosi Junior , Leomar Dos Santos , Maria José Carvalho De Souza Domingues

ABSTRACT
O Produto Interno Bruto (PIB) é compreendido como um efetivo do crescimento econômico nacional, resultando em uma medida que permite relacionar fatores sociais, tais como educação, pesquisa e desenvolvimento que podem aumentar os índices nacionais, como o de desenvolvimento de tecnologia e inovação das nações. Desta forma, o objetivo que norteou este estudo foi verificar a influência da educação e da pesquisa e desenvolvimento (P&B) sobre o Produto Interno Bruto (PIB) per capita de 123 nações. Para tal, utilizou-se como procedimentos metodológicos a abordagem quantitativa com o uso da técnica descritiva, o tratamento e análise dos dados foram elaborados por meio da regressão linear. O estudo embasou-se nos scores de educação e pesquisa e desenvolvimento (P&B) do The global Innovation Index, e do PIB no The World Bank que apresenta dados do PIB de países. Os resultados encontrados revelaram que há uma correlação positiva para as variáveis de educação superior e pesquisa e desenvolvimento, como um fator condizente ao crescimento econômico, sendo este medido pelo PIB per capita das nações estudadas.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS

PIB per capita das nações: a influência da educação e da pesquisa e desenvolvimento O artigo apresenta diversos pontos positivos: um conjunto de autores de relevância, uma abordagem metodológica robusta, um tema oportuno e relevante. O estudo do impacto da educação no desenvolvimento, mais até do que no crescimento econômico das nações, continua no mainstream das pesquisas em Administração, apesar de já se passarem mais de 50 anos da primeira publicação de impacto no assunto, a de Schultz T. (1965). A educação faz a pessoa a tomar decisões mais eficientes e a lidar melhor com tecnologias. Há, de fato, um campo muito grande, ainda, para estudar a educação e seu impacto na Administração. Inclusive, há estudos não conclusivos quanto à eficiência da educação na tomada de decisões, o que mais, ainda, incentiva a realização de mais pesquisas na área. Um exemplo https://www.interciencia.net/wp-content/uploads/2018/03/98-CASTRO-43_02.pdf. Recomendam-se alguns aprimoramentos, com o intuito de que o artigo fique ainda mais estruturado para a submissão em algum periódico. Primeiramente, uma revisão gramatical – há alguns trechos em que o sujeito está separado do predicado por vírgula, e outros em que faltam vírgulas (exemplos: A temática da educação, pesquisa e desenvolvimento (P&B) e os seus efeitos sobre o Produto Interno Bruto (retirar a vírgula) está chamando...; Segundo a OECD (2007) – inserir vírgula, a inovação é considerada... “A análise da eficiência orientada para o resultado (retirar a vírgula) aponta que o Japão... “quando há um investimento maior em educação, pesquisa e desenvolvimento (P&D) – inserir vírgula – este gera um impacto positivo no bem-estar econômico do país” (...) investimentos em capital humano e em pesquisa (retirar a vírgula) são significativos para a renda e o crescimento de um país). Ajustar o uso da crase (quanto à (inserir crase) abordagem quantitativa... Em 2.1, o início da frase ficou incompleto – O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todas as riquezas produzidas e, para chegar a esse número (???). Em: (...) os autores Laskowska e Dańska-Borsiak (2016) corroboram ao afirmarem... (corroboram com o quê? – completar a frase). Uma questão: quando os autores apresentam os resultados sobre os novos estados-membros da EU, apontam que há “uma eficiência relativamente alta no ensino superior, enquanto ficam muito atrás nas medidas de eficiência de P&D.” A que se deve essa ‘aparente’ discrepância? Recomenda-se, ainda, explicar o que é o modelo 1 escolhido e explicar como é calculado a “eficiência” da inovação. Inserir, como apêndice, alguns resultados obtidos, bem como a lista dos 123 países. Na Tabela 1, na fonte, colocar o ano dos Dados da Pesquisa. Por fim, quanto à citação e às referências: faltou citar OECD (1997) e Whittington (2006), que estão referenciados. Ajustar, na citação, Hair et al. – o correto é 2009, como está nas referências, mas há citações em que está 2005. Negritar o periódico Nature News (MUNGIU-PIPPIDI).

Foto do Usuário Jean Bressan Albarello 09-02-2021 12:50:35

Assunto muito pertinente e os autores foram muito felizes na condução do trabalho.