artigos
Convibra Conference - Prevenção à Saúde do Homem: desafios na Atenção Básica.
Prevenção à Saúde do Homem: desafios na Atenção Básica.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Políticas Públicas de Saúde

Acessos neste artigo: 19


Certificado de publicação:
Certificado de Amanda Caroline Nunes dos Santos

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Amanda Caroline Nunes Dos Santos , Alba Carolina De Jesus Lisboa , Larissa Alves Leandro , Geyse Aline Rodrigues Dias

ABSTRACT
Trata-se de um relato de experiência com objetivo de socializar experiência de ação educativa sobre saúde do homem em unidade de atenção básica. A saúde do homem ganhou destaque em 2009 com a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, entretanto, ainda enfrenta dificuldades à sua implementação, tanto em relação a iniciativas, quanto a entraves sócio-culturais. A ação educativa em saúde teve participação de três estudantes e uma professora do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Pará, que desenvolveram um planejamento de educação em saúde em uma Unidade Municipal de Saúde (UMS) de Belém-PA, em 2019. Durante o planejamento, diagnosticou-se, por meio do diálogo com usuários e profissionais, a necessidade de orientações sobre a “Saúde do Homem”. Dentre os assuntos abordados, destacou-se o “Machismo” como barreira à procura dos homens ao serviço de saúde; a “Saúde íntima masculina” pouco abordada, porém de cunho crucial para a prevenção de doenças como o câncer de pênis; e a “Prevenção do Câncer de próstata”, principal assunto da campanha nacional “Novembro Azul” enleada dentre tantos incentivos a saúde do homem. Em vista disso, os desafios incluíram, carência de publicações científicas sobre o cuidado com a saúde do homem; a sensibilidade e o pouco incentivo de profissionais de saúde, na identificação de problemas da comunidade para intervir em ações educativas na realidade; e a quebra de tabus sobre os cuidados com a saúde masculina. Considera-se, portanto, a relevância do papel preventivo da atenção básica em saúde, com ações educativas, para orientações e estímulos ao autocuidado, visando a transformação da realidade vivenciada pelos usuários do sexo masculino.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Bruno Ribeiro Da Mota 09-02-2021 12:50:35

Importante a criação de vinculo entre os Homens e as equipes de saúde e a não culpabilização desses cidadães no processo saúde doença.

Foto do Usuário Marília De Oliveira 09-02-2021 12:50:35

Excelente relato. O conteúdo vai ao encontro da Politica Nacional de Atenção Integral da Saude do Homem (PNAISH). E ainda, estimula o aprendizado do aluno favorecendo sua formação em saúde e enfermagem.

Foto do Usuário Mateus Cunha Gomes 09-02-2021 12:50:35

Excelente tema, assunto pouco comentado mas que possui uma grande relevância, demonstra a real dificuldade e barreiras que o homem encontra ao procurar atendimento de saúde. Excelete

Foto do Usuário Amanda Maria Villas Boas Ribeiro 09-02-2021 12:50:35

O título pode explicitar a temática do artigo, não está claro e está generalista demais.

Foto do Usuário Ana Honorato 09-02-2021 12:50:35

A atenção à Saúde do Homem tem ganhado bastante espaço nos serviços de saúde mas ainda está aquém das expectativas. Os homens em geral negligenciam o cuidado por fatores muitas vezes culturais. É preciso quebrar este paradigma.

Foto do Usuário Naiara Pereira Dos Reis Viana 09-02-2021 12:50:35

Parabéns pelo trabalho. A temática é extremamente relevante e atual. Observações: Texto bem escrito e fluido. Noto esquecimento da vírgula depois de ''objetivos'' no tópico Materiais e métodos e algumas poucas incongruências nas considerações finais. No todo, o trabalho apresenta reflexões e fatos pertinentes ao tema, que é de fato um grande desafio. No decorrer do relato da experiencia, senti falta da visão que os homens abordados tiveram na ação realizada no dia 29/10/19. O que eles disseram de fato? houve alguma fala que pudesse ser transcrita? Posteriormente foi explicado que muitas mulheres estavam presentes no dia e acabaram respondendo as perguntas no lugar dos homens. Nas considerações finais, foi apresentado que ''Durante a ação aqui relatada, grande parte do público eram mulheres, entretanto,cientes dos desafios, organizou-se a exposição do tema em uma perspectiva em que as mulheres aprenderiam e ensinaram assim seus familiares e conhecidos homens, bem como estimulando a educação masculina para seus filhos ainda na infância. Essa organização permitiu ampla reflexão e participação popular.'' Não consegui entender com clareza como essa exposição foi organizada na perspectiva das mulheres. Na opinião das autoras, as mulheres acabam, em verdade, assumindo o compromisso de cuidar da saúde dos homens de suas famílias no lugar deles próprios? Nesse sentido, a AB conversaria com esse público ( feminino) com que perspectiva? Parabéns novamente!Obrigada.

Foto do Usuário Beatriz Machado Soares 09-02-2021 12:50:35

Gostaria de parabenizar pela temática escolhida, bem como a necessidade de adentrarmos nessas discussões onde possibilita desmistificar conceitos e dados onde mostram que dificilmente HOMENS procuram a rede de saúde de forma preventiva.

Foto do Usuário Francileide De Oliveira Vanderley 09-02-2021 12:50:35

Temática relevante e artigo escrito de forma concisa, clara e objetiva. Foi uma experiência bastante valiosa. A sugestão é no título que está bem amplo. Já que se trata de um relato, sugiro: “Relato de experiência em atenção básica na prevenção à saúde do homem”. Substituiria o descrito “atenção básica” por “Atenção primária à saúde”. Na introdução, não consegui encontrar o objetivo do seu estudo.

Foto do Usuário Carolina Guedes Pereira 09-02-2021 12:50:35

Primeiramente, gostaria de parabenizar aos autores pela escolha da temática, visto que a saúde do homem demanda estratégias e cuidados específicos, possui problemas importantes que precisam ser abordados, há uma carência de ações para a saúde do homem nos serviços de saúde e o assunto ainda foi pouco explorado pela literatura científica. Gostaria de ressaltar alguns pontos de melhoria: o título não nos permite compreender que se trata de relato de experiência sobre estratégia de educação em saúde; na introdução, senti falta de uma referência que relacionasse diretamente o papel da APS na garantia dos direitos de saúde do homem e de discorrer mais sobre a educação em saúde; o objetivo não ficou tão claro no resumo e introdução; na metodologia, não foi esclarecido que a intervenção não era inicialmente voltada à saúde do homem; nos resultados senti falta da apresentação da quantidade de participantes na ação e qual a porcentagem de homens e mulheres; e identifiquei alguns erros de escrita. A partir dos dados apresentados é possível perceber a dificuldade de envolvimento dos homens, por esse motivo, considero que a busca na literatura dos conteúdos importantes de serem abordados na ação educativa foi um ponto muito positivo, mas em uma próxima oportunidade acredito que poderia haver um trabalho no sentido de tentar identificar quais são as dúvidas e demandas que o público masculino possui. Alguns pontos positivos foram a temática, o planejamento da ação desde identificação dos problemas até a avaliação, discussão da importância de compreensão do contexto familiar e de intervenções baseadas na família e identificação das mulheres como possíveis perpetuadoras dos conhecimentos relativos à saúde do homem. Pergunta: Considerando o que foi exposto, a quais pontos os profissionais devem estar atentos para que possam ser promotores da atenção à saúde do homem?

Foto do Usuário Aline Queiroz De Sousa Fiorenza 09-02-2021 12:50:35

O artigo é bem interessante. Tem relevância e bem elaborado quanto a percepção e desenvolvimento de uma pratica para um melhor atendimento.