Índice de Segurança Hospitalar: identificação de vulnerabilidades em hospital do Rio de Janeiro

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão de serviços de saúde

Temas Correlatos: Inovações em Gestão da Saúde;

Acessos neste artigo: 9


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Marília Gomes E Silva , Alexandre Barbosa De Oliveira

ABSTRACT
Introdução: este estudo refere-se às vulnerabilidades hospitalares e percepção de risco de profissionais da área de Saúde acerca da segurança frente às situações de emergências e desastres. Para um hospital ser caracterizado como “seguro” há que se possuírem alguns requisitos: proteção à vida, proteção do investimento e proteção da função (OPAS, 2004). Método: estudo do tipo exploratório, com abordagem mista, desenvolvido por meio de triangulação de técnicas que incluem: aplicação do Índice de Segurança Hospitalar (ISH) traduzido e adaptado por Cardoso (2018) e determinação do índice com a participação de um gestor administrativo, engenheiros civil e clínico, chefe de segurança do trabalho. Resultados: O hospital recebeu um conceito A no Índice de Segurança Hospitalar. Discussão: Os resultados do ISH foram discordantes com as respostas dadas pelos profissionais de saúde participantes. Numa situação de crença, uma pessoa reage ao desapontamento culpando os outros; em uma situação de confiança ela ou ele deve assumir parcialmente a responsabilidade e pode se arrepender de ter depositado confiança em alguém ou algo. (GIDDENS, 1990) Conclusão: um hospital efetivamente seguro estará menos propenso a sofrer os danos causados por um desastre interno ou externo. É fundamental que o hospital mantenha seu pleno funcionamento durante uma situação de crise, atendendo a população e cumprindo o seu papel social. Espera-se que, no futuro, mais profissionais de Saúde consigam perceber e agir de modo resolutivo quanto aos riscos.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS