CAFEICULTURA NO CIRCUITO DAS ÁGUAS PAULISTA: GESTÃO DAS EMPRESAS RURAIS VISANDO CAFÉS ESPECIAIS E TURISMO LOCAL

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Agronegócios

Temas Correlatos: Economia agrícola;

Acessos neste artigo: 9


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Amanda Rezzieri Marchezini , Flávia Maria De Mello Bliska

ABSTRACT
Este estudo identifica e avalia o nível de gestão na cafeicultura do Circuito das Águas Paulista,
tradicional na produção de cafés e no turismo urbano, e com potencial de crescimento do
turismo rural, visando fornecer subsídios para os empresários aumentarem o nível de gestão
organizacional e a competitividade de seus estabelecimentos rurais, almejando viabilizar sua
sobrevivência ou crescimento no longo prazo. O estudo é exploratório e baseia-se no Método
de Identificação do Grau de Gestão – MIGG Café e estatísticas descritivas. Os resultados
apontam forte necessidade de aperfeiçoamento do sistema de gestão nas empresas regionais,
principalmente em relação à adoção de planejamento estratégico, o que poderá ser fundamental
ao incremento da competitividade e sustentabilidade dessas empresas. A adoção de visão
estratégica de longo prazo, a identificação da produção cafeeira como um negócio passível de
organização, com definição de metas, aferição de resultados, busca de melhoria contínua dos
processos poderá agregar ainda mais valor a um café que já nasce com potencial de boa
qualidade em razão das características edafoclimáticas regionais favoráveis ao seu cultivo.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Daniel Henrique Leite 04-05-2021 11:47:49

Trabalho muito bom, de grande importância e de grande impacto.

Foto do Usuário Antonio Bliska Júnior 14-05-2021 10:50:22

Os cafeicultores de maneira geral possuem amplo conhecimento de manejo da cultura a campo mas baseiam-se em poucas informações de mercado para sua tomada de decisão. A análise estratégica da sua atividade econômica é imprescindível para alavancar seu crescimento, profissionalização e sustentabilidade. O turismo rural ainda é mal explorado no Brasil, ao contrário de países da América Central e Colômbia por exemplo. O salto proporcionado pela profissionalização das lideranças rurais é urgente. Passar de agricultor a empresário rural mudará também o patamar de produtividade e qualidade do café no Brasil.