REMOÇÃO DE NIMESULIDA DE EFLUENTE HOSPITALAR SIMULADO ATRAVÉS DA ADSORÇÃO USANDO CARVÃO ATIVADO DE LODO DE ETA

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Sustentabilidade ambiental

Acessos neste artigo: 14


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Giovanna Vieira Infantini , Alaor Valério Filho , Luana Vaz Tholozan , André Ricardo Felkl De Almeida , Gabriela Silveira Da Rosa

ABSTRACT
Nesse trabalho, foi estudada a utilização de carvão ativado produzido a partir de lodo de estação de tratamento de água para remoção do fármaco nimesulida de efluente hospitalar simulado. Para a preparação do carvão ativado, a amostra de lodo foi coletada na estação de tratamento de água da cidade de Bagé-RS e posteriormente passou pelos processos de secagem, moagem, peneiramento, ativação química com cloreto de zinco e hidróxido de cálcio e ativação física por pirólise seguida de lavagem ácida. O carvão obtido foi denominado CALL e sua estrutura física foi analisada através da isoterma de adsorção-dessorção de N2. Dois efluentes simulados (A e B) foram produzidos com a utilização de compostos normalmente encontrados em efluentes hospitalares reais e o pH de ambos foi ajustado para 8. A concentração desses compostos foi variada do efluente simulado A para o B. Para analisar a adsorção de nimesulida por CALL, foram utilizados 25 mL de solução de efluente hospitalar simulado e 1 g/L de CALL. Posteriormente a mistura foi agitada em shaker e centrifugada para que fosse realizada a análise no espectrofotômetro. Os resultados obtidos na caracterização do CALL indicaram uma área superficial específica de 582 m²/g. Os resultados dos testes de adsorção mostraram que CALL conseguiu adsorver 98.57% e 88.08% de nimesulida dos efluentes A e B, respectivamente. De acordo com os valores obtidos, pode-se dizer que a utilização de lodo de estação de tratameto para produção de adsorvente é uma alternativa sustentável para a reutilização desse resíduo e também uma opção promissora para o tratamento de efluentes contaminados com nimesulida.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Fábio 19-04-2021 17:36:02

O tema é muito relevante, porém é um projeto que não apresenta análises, nem dados estatísticos e ainda é inconclusivo.

Foto do Usuário Nicole Dall'accua Lopes 08-05-2021 19:42:38

O trabalho abordou um tema bem atual, além de agregar valor a um resíduo gerado em grandes quantidades. Gostaria de saber com base em que foram feita as escolhas dos parâmetros da adsorção, como o tempo de adsorção de 180 minutos? E como sugestão sugiro adicionar detalhes sobre a caracterização dos materiais utilizados e sobre a avaliação da adsorção, como a cinética.

Foto do Usuário Pietro Serraglio Figueiredo 14-05-2021 13:59:01

O estudo abordou um tema muito interessante, encontrando um meio alternativo de usar esse resíduo como adsorvente agregando valor ao mesmo. Tendo em vista isso, gostaria de saber se é possível recuperar o adsorvente após a realização da adsorção, ou o mesmo é utilizado uma vez só?

Foto do Usuário Luisa Bataglin Avila 14-05-2021 16:39:09

Primeiramente gostaria de parabenizar os autores pela elaboração do trabalho. É de suma importância a realização de pesquisas com este viés, reduzir os impactos ambientais gerados pelo descarte incorreto de resíduos. Nesse sentido gostaria de saber se os autores já pensaram em estudar a aplicação deste adsorvente no tratamento de outros tipos de efluentes (outros medicamentos) tendo em vista que o mesmo apresentou uma elevada eficiência de adsorção dos compostos avaliados.

Foto do Usuário íris Nunes Raupp 15-05-2021 02:39:02

Parabéns pelo trabalho! Tema muito relevante e resultados impressionantes. Gostaria de saber se pretendem explorar os estudos em leito fixo também, tendo em vista que desenvolveram estudos em batelada, se não, minha sugestão seria avaliar a possível aplicação de forma industrial desse material como adsorvente.