TESTE DE DESENVOLVIMENTO RADICULAR DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS NUAS E COM INCRUSTAÇÃO

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Agricultura

Temas Correlatos: Fisiologia;

Acessos neste artigo: 18


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Franny Christiny Camargo Da Silva

ABSTRACT
No âmbito da forragicultura e pastagem, a busca por uma parte aérea bem desenvolvida, com uma boa percentagem de folha, massa seca e acúmulo de forragem é essencial para o estabelecer um pasto bem manejado. No entanto, no âmbito da fisiologia vegetal, um sistema radicular bem desenvolvido favorece um processo de rebrota mais acelerado, reduzindo seu ciclo e aumentando sua produção de matéria seca e consequentemente seu acúmulo de forragem. O sistema radicular também proporciona para a planta uma maior resistência ao déficit hídrico, sendo esta, uma característica essencial para a implantação de uma forrageira. Tendo o sistema radicular como um fator crucial para o desenvolvimento da forragem, deve-se levar em consideração o processo germinativo como substancial para este sistema se estabelecer. Assim o objetivo deste estudo foi realizar um comparativo entre o crescimento radicular das sementes nuas e incrustadas de 6 cultivares de forrageiras, sendo 2 (duas) cultivares de Panicum maximum e 4 (quatro) cultivares de Brachiaria sp. O trabalho foi realizado em papel germinativo, com 3 repetições de 20 sementes por cultivar, realizando-se comparação de médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade de erro. A comparação realizada comprovou que as sementes nuas obtiveram um melhor progresso em relação as sementes incrustadas, mesmo submetidas às mesmas condições no experimento.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Josiane Rodrigues 07-04-2021 17:29:40

Primeiramente gostaria de parabenizar os autores pelo trabalho desenvolvido! A título de sugestão, acredito que o experimento possa ser descrito como um ensaio realizado no delineamento inteiramente casualizado em emquema fatorial 6x2 (6 cultivares e 2 tipos de sementes), com 3 repetições para cada tratamento. Como pergunta aos autores, gostaria de saber se a interação entre os fatores cultivares e sementes foi significativa. Se sim, acredito que o teste de Tukey possa ser apresentado numa tabela única (como a Tabela 2), em que letras maiúsculas representariam o teste nas colunas e letras minúsculas representariam o teste nas linhas, por exemplo. Se não, o teste poderia ser aplicado de forma independente para as cultivares e para as sementes, em duas tabelas individuais.

Muito bom o trabalho parabéns aos envolvidos! Excelente.

Foto do Usuário Ricardo Guilherme Kuentzer 26-04-2021 14:40:29

Parabenizar a equipe pelo trabalho e a importância desse estudo para os sistemas forrageiros produtivos no Brasil. Acredito que o experimento poderia ter 3 blocos de repetições nos tratamentos, o que levaria discussões mais significativas. A pergunta: Seria então, as sementes nuas por obterem um melhor progresso em relação as sementes incrustadas, mais viáveis para indicar a um produtor?

Foto do Usuário Isaac Lima Simões De Vasconcelos 29-04-2021 18:03:37

Muito bom o trabalho, parabéns a todos os envolvidos, sugiro que falem sobre o incrustamento e sobre as escarificação das sementes, para ficar mais claro o que de fato é uma semente incrustada e nua.

Foto do Usuário Alexei De Camposdianese 06-05-2021 00:59:08

Trabalho com linguagem simples e direta, o que contribui para a fluidez do texto. Em relação ao desenho experimental, o número de repetições não deveria entrar no fatorial. Gostaria de saber a opinião dos autores sobre porque as sementes peletizadas de Tamani e Ruziziensis tiveram um performance superior às sementes nuas.

Foto do Usuário Lorena Passos Rodrigues 12-05-2021 16:14:25

Um excelente trabalho e muito relevante. Como sugestão gostaria de dizer que poderia ser adicionado ao texto a definição de semente nua e incrustrada.

Parabéns pelo trabalho. Acho que é valido mesmo colocar a diferença tecnológicas da semente incrustada e nua. E talvez até ressaltar que neste teste a inscrustada apresentou-se inferior, mas que no desenvolvimento no campo, onde temos outras condições como ataque de pragas, ela pode apresentar-se um bom recurso. Acho complicado comparar Panicum e Brachiaria, sendo gêneros tão diferentes, talvez mostrar dados separados (somente sugestão).

Foto do Usuário Flávia Marques De Brito 14-05-2021 21:42:50

Parabenizo as autoras pela abordagem do tema que é de extrema importância. Além disto, gostaria de saber como fizeram o controle de temperatura do ambiente a qual as sementes foram semeadas (ou “estavam expostas” obs.- caso tenha sido durante todo o experimento). Ademais, uma sugestão que considero válida seria a adição das variáveis IVG (índice de velocidade de germinação) e TMG (tempo médio de germinação) para melhor complementar os resultados encontrados.