DERMATOPARAXIS EM CORDEIRO: RELATO DE CASO

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Medicina Veterinária

Acessos neste artigo: 11


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Amanda Corvino Valim , Luiz Claudio Nogueira Mendes , Andressa Da Silva Alves , Laís Cecato Moura Leal , Tiago Telles Parra

ABSTRACT
A dermatoparaxis é uma doença genética autossômica recessiva que causa fragilidade na maturação do colágeno e tecido conjuntivo, caracterizada por fragilidade da pele devido a acentuada resistência das fibras de colágeno. A doença em ovinos White Dorper é provocada pela mutação c.421G>T no gene ADAM metalopeptidase com trombospondina tipo 1 motif, 2 (ADAMTS2) (ANDRADE et al., 2014; SILVA et al., 2015).
O caso a ser relatado é de um animal que nasceu nas dependências do Hospital Veterinário da FMVA um cordeiro, mestiço de Suffolk e White Dorper, oriundo de parto normal simples, aparentemente prematuro, com 3,1 kg, mucosa oral congesta, com 2 pares de tetas, desenvolvimento ocular incompleto e sem abrir os olhos, apático, e sem alterações cutâneas, porém poucas horas após o nascimento notou-se seroma na região peitoral. O mesmo apresentava letargia e não conseguia mamar a quantidade ideal sozinho, necessitando de ajuda para ficar próximo à mãe. No nono dia de vida apresentou pequena ferida na região da articulação escapuloumeral direita, sem sangramento profuso, porém com desprendimento progressivo da pele. 
O animal apresentava resposta dolorosa intensa e foi realizada aplicação de flunixin meglumine na dose de 1 mg/kg por via intramuscular. Conforme a movimentação normal do animal, a pele desprendia-se ainda mais, chegando a expor a articulação escápulo-umeral, sendo recomendada e realizada eutanásia com xilazina e midazolam por via intravenosa e lidocaína intratecal. Após a eutanásia, foi coletado 4 ml de sangue total para realização de teste genético para Dermatoparaxis em White Dorper (PCR com amplificação do gene ADAMTS2 com mutação c.421G>T). O teste mostrou homozigose recessiva (A/A), confirmando o diagnóstico de dermatoparaxis.
O rebanho de ovinos da FMVA era composto inicialmente por ovelhas Suffolk, livres da mutação do gene envolvido (N/N). Com a introdução de um reprodutor White Dorper (A/N) em 2018 no rebanho, ocorreram cruzamentos com as ovelhas Suffolk, e posteriormente com suas filhas, introduzindo o gene no rebanho. A mãe do cordeiro em questão era filha do reprodutor e possuía genótipo (A/N), sendo esta sua primeira gestação. Este foi o primeiro caso de dermatoparaxis deste rebanho, após o nascimento de 40 cordeiros, sendo 37 oriundos da F1 (produtos do cruzamento do reprodutor com as ovelhas Suffolk) e 3 oriundos da F2 (produtos do cruzamento do reprodutor com a F1).
Embora a doença em si não provoque a morte do animal, é considerada uma enfermidade letal uma vez que as extensas feridas presentes ao nascimento ou poucas horas após se infeccionam facilmente podendo levar a um quadro de septicemia e morte dos cordeiros. Além disso, as lesões cutâneas excluem estes animais de sistemas de produção comerciais e, sendo assim, os reprodutores White Dorper devem ser adquiridos somente quando os mesmos forem homozigotos dominantes para o gene (RADOSTITS et al., 2000; SAPERSTEIN, 2006).

Palavras-chave: colágeno, dermatopatias, ovinos, pele.

REFERÊNCIAS
ANDRADE, D. G. A. et al., Aspectos clínicos, histopatológicos e moleculares da dermatosparaxia em ovinos White Dorper. Pesq. Vet. Bras. [s.l], v. 34, n. 5, p. 442-448, mai. 2014.
RADOSTITS, O. M. et al. Doenças causadas pela herança de características indesejáveis. In: _______. Clínica Veterinária: um tratado de doenças dos bovinos, ovinos, suínos, caprinos e equinos. 9. ed. [s.l]: Guanabara Koogan, 2000. Cap. 34. p. 1560-1593.
SAPERSTEIN, G. Defeitos Congênitos e e Distúrbios Hereditários em Ruminantes. In: SMITH, B. P. Medicina Interna de Grandes Animais. 3. ed. Barueri: Manole, 2006. Cap. 47. p. 1465-1555.
SILVA, A.P.C. et al., Dermatosparaxis in two White Doper lambs in Brazil: case report. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, [s.l.], v. 67, n. 3, p. 741-746, jun. 2015.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Fernando David Caracuschanski 16-04-2021 01:38:57

Olá, parabéns pelo artigo, achei muito interessante, fiquei curioso em saber o que pode levar a essa mutação genética e a probabilidade de acontecer em um rebanho.