Violência contra idosos: perfil de vítimas de agressão atendidas em um hospital público de média e alta complexidade de Minas Gerais

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Políticas Públicas de Saúde

Acessos neste artigo: 6


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Nayara Carolina Mendes , Mirela Castro Santos Camargos , Cristiano Inácio Martins , Doane Martins Da Silva , Karla Rona Da Silva , Wanderson Costa Bomfim

ABSTRACT
Objetivo: O presente estudo tem o objetivo de caracterizar o perfil de idosos vítimas de violência atendidos em um hospital público de média e alta complexidade de Minas Gerais. 
Metodologia: Estudo descritivo, de natureza quantitativa, realizado em um pronto-socorro de referência em trauma do Estado de Minas Gerais, com dados secundários de atendimentos de idosos vítimas de violência no período de 2015 a 2019. Os dados foram analisados por meio do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 19.
Resultados: Foram atendidos 193 idosos vítimas de agressão no período analisado. O tempo médio de permanência no hospital foi de 14,3 dias, com mediana de 5 dias. A maioria das vítimas era do sexo masculino (85,5%) e tinha de 60 a 69 anos de idade (72,5%). Quanto ao estado civil, 38,3% das vítimas eram casadas, unidas ou amigadas. 51,8% das vítimas residiam no município no qual o hospital está localizado. Quanto à classificação de risco de Manchester, 30,6% foram classificados como laranja (muito urgente). Dos casos de agressões sofridas, 34,2% foram corpo a corpo e, com relação aos tratamentos realizados, 22,3% foram para traumatismo cranioencefálico. Quanto ao desfecho, 13% dos eventos evoluíram para óbito.
Discussão e conclusão: Situações de violência contra a pessoa idosa representam um problema de saúde pública no Brasil, com diversas repercussões na saúde e qualidade de vida, capazes de gerar traumas, lesões e necessidade de internação hospitalar, sendo importante conhecer o perfil das vítimas para auxiliar na organização do serviço e nas ações de prevenção.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Luiz Carlos Da Cruz 09-02-2021 12:50:35

O referido estudo é bem interessante, mas entendo que também faz-se necessário compreender no diagnostico estatístico o perfil socioeconômico da amostragem. Uma outra questão é que a Discussão em conjunto da conclusão se confunde em dados. Sugiro separar para efetivamente as considerações finais

Foto do Usuário Jordânia Gonçalves Silva 09-02-2021 12:50:35

Gostaria de parabenizar os autores pois tema do estudo é de grande valia. Pergunta - No período analisado os idosos não sofreram recorrência de internação por violência? Sugestão- Acrescentar este dado em relação a recorrência de internação por violência, uma vez que os dados são retirados do prontuário eletrônico.

Foto do Usuário Tatiana Nunes Carvalho 09-02-2021 12:50:35

Parabéns pelo trabalho! Tema relevante tento em vista o envelhecimento da população em nosso meio. Pergunta: quais foram os responsáveis pelos atos de violência? Senti falta dessa investigação para que se entenda melhor os causadores possibilitando intervenção. Sugestão: separar discussão e conclusão, os tópicos ficaram juntos. E inclusão do questionamento sobre o responsável pela violência no estudo: cuidador? família? Outro?

Foto do Usuário Fernanda Clara Da Silva 09-02-2021 12:50:35

Tema muito importante e trabalho bem escrito, mas que precisam de pequenas correções. O último parágrafo da introdução é o objetivo do trabalho, fica repetitivo. Também seria interessante colocar o perfil socioeconômico desses idosos, além da percepção pessoal destes sobre o tema.

Foto do Usuário Alba Vilela 09-02-2021 12:50:35

Trabalho relevante principalmente neste momento atual. Nos leva a reflexões como se encontram os idosos em nossa sociedade. Realmente possui contribuições a sociedade e relevância social.

Foto do Usuário Xenia Maria Tamborena Barros 09-02-2021 12:50:35

Parabéns pelo estudo desenvolvido! Penso que a temática desafia as equipes de saúde a problematizar e buscar estratégias de assistência. Isto, por meio de articulação da rede intra e intersetorial com vistas a proteção integral da população idosa.