CARACTERIZAÇÃO DOS ÓBITOS POR NEOPLASIA NO DISTRITO FEDERAL EM 2018

Temas: Saúde e Tecnologia da Informação e Comunicação


Certificado de publicação:
Certificado de Beatriz Alves Souza Borges

Acessos nesse artigo: 2


AUTORIA

Cauê Sousa Cruz E Silva , Sarah Dos Santos Conceição , Luísa Caroline Costa Abreu , Lourena Bottentuit Cardoso Penha , Amanda Oliveira Lyrio , Beatriz Alves Souza Borges , Elivan Silva Souza , Delmason Soares Barbosa De Carvalho , Ana Cristina Machado , Elaine Ramos De Moraes Rego , Josicélia Estrela Tuy Batista , Simone Seixas Da Cruz , Ana Claudia Morais Godoy Figueiredo

ABSTRACT
INTRODUÇÃO: O câncer é considerado um dos problemas de saúde pública mais complexos, devido a sua magnitude social, econômica e epidemiológica (1,2). O progressivo aumento das taxas de mortalidade por neoplasias tem relação com os processos de transição demográfica e epidemiológica que aconteceram no Brasil nos últimos 30 anos (3,4). Ademais, as mudanças no padrão reprodutivo, senescência populacional e as características sociodemográficas são fatores de risco para a ocorrência do desfecho. Os registros de mortalidade acerca das neoplasias são de grande importância para construção de indicadores de saúde e planejamento de políticas públicas (5,6). Apesar de estar bem estabelecido que o diagnóstico precoce e o tratamento adequado interferem nas taxas de mortalidade e na prevalência por neoplasia, poucos são os dados disponíveis quanto à epidemiologia descritiva do câncer no Distrito Federal. Portanto, é necessário descrever o panorama atual da doença, propiciando a implementação de políticas públicas que levem à realização de ações efetivas de prevenção e detecção precoce, visando à redução de danos, das taxas de mortalidade e diminuição dos gastos públicos. OBJETIVO: Descrever as características sociodemográficas das pessoas que foram a óbito por neoplasia no Distrito Federal em 2018. METODOLOGIA: Pesquisa de base populacional e caráter descritivo, realizada entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2018 no Distrito Federal. O Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) foi utilizado para a coleta dos dados e os laudos emitidos pelos hospitais e unidades de saúde foram consultados, a fim de analisar a causa básica de óbito registrada. Todos os dados foram disponibilizados pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal por meio da Gerência de Informação e Análise da Informação de Saúde (GIASS), a qual é responsável pelo gerenciamento de sistemas de informação em saúde, relacionados com a mortalidade. Este estudo foi desenvolvido a partir de todos os óbitos ocorridos no DF de indivíduos com idade superior a 1 ano e que tiveram como causa básica de morte a neoplasia, conforme códigos C00-C97 da 10ª versão da Classificação Internacional de Doenças – CID-10 (7). Foram excluídos os óbitos classificados como inconclusivos ou sem informações suficientes em prontuário que não apoiavam a construção da história clínica do indivíduo. Todas as declarações de óbito registradas no SIM foram analisadas por profissionais de saúde treinados. Inicialmente, houve a triagem de todas das declarações de óbito para verificação da causa básica de morte preenchida conforme a presença de neoplasia. A investigação das fichas se deu através dos prontuários eletrônicos emitidos pelos hospitais, a fim de identificar a causa epidemiológica do óbito. Posteriormente, com a identificação da nova causa básica, foram realizadas a recodificação, o preenchimento de um formulário padronizado e a atualização no SIM. As variáveis utilizadas para a caracterização da amostra deste estudo foram categorizadas mediante sua distribuição na amostra, bem como segundo estudos prévios (9,10,11,12) acerca da temática, sendo elas: idade, sexo, raça/cor da pele, ocupação, anos de estudo, situação conjugal, regiões administrativas em que mais ocorreram óbitos e região de residência dos indivíduos. Foi realizada a análise descritiva para todas as variáveis categóricas, de acordo com as frequências relativas e absolutas. A análise dos dados do estudo foi realizada com o emprego dos programas estatísticos STATA (Data Analysis and Statistical Software), versão 15, cujo número serial é 301506206729. Este estudo está de acordo com as Resoluções nº 466/2012 e nº 580/2018 do Conselho Nacional de Saúde e foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde sob CAAE: 95486818.0.0000.5553. RESULTADOS E DISCUSSÃO: No ano de 2018, a mortalidade proporcional por neoplasia no Distrito Federal foi na ordem de 22,06% (2.683 indivíduos). Houve maior percentual de mortalidade devido ao referido desfecho em pessoas que apresentaram a faixa etária de 60 anos ou mais (71,92%); sexo masculino (53,08%); raça/cor parda, preta ou indígena (52,11%); ocupação laboral (72,46%); menos de 8 anos de escolaridade (66,19%) e ausência de companheiro (55,74%), corroborando os achados de distintos estudos acerca do tema (1,3,6,9,10). Ao analisar a distribuição espacial da frequência do evento pelas regiões administrativas do Distrito Federal, percebeu-se que 64,55% dos óbitos por neoplasia ocorreu no plano piloto.  Sabe-se que a incidência global de câncer na América Latina, quando comparada a Europa e Estados Unidos da América, é mais baixa, porém apresenta uma maior carga de mortalidade que pode ser explicada por fatores diversos e inerentes a realidade dos sistemas de saúde como as dificuldades de acesso ao tratamento e diagnóstico tardio (10). Nas Américas Central e do Sul, constatou-se tal panorama em diversos países como resultado da influência de fatores socioeconômicos e demográficos, a exemplo do Brasil (11). O conhecimento das características inerentes ao câncer, bem como o processo de morte desencadeado pela doença é de suma importância, pois possibilita identificar um padrão epidemiológico distinto entre sexos, etnia, idade, escolaridade, dentre outras caraterísticas (12,13,14). Uma das limitações desse estudo está relacionada ao preenchimento inadequado das declarações de óbito, vez que analisar a completude e confiabilidade dos dados preenchidos ainda é uma tarefa árdua (15,16). Outro fator limitante verificado foi a falta de informações nos prontuários de saúde dos indivíduos que foram a óbito, o que dificultou a especificação do tipo de neoplasia em alguns casos. Dentre as fortalezas da presente investigação, encontra-se a utilização de dados confiáveis disponibilizados pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, que apresenta uma equipe devidamente capacitada e previamente treinada para a investigação da causa básica do óbito no DF. CONCLUSÃO: É possível compreender particularidades da população do Distrito Federal acometida por neoplasia e, assim, orientar estratégias mais efetivas de prevenção e tratamento no âmbito das políticas públicas de saúde. Entretanto, ressalta-se a necessidade de desenvolver estudos com metodologias mais robustas que explorem melhor os fatores de risco do referido agravo.

Para participar do debate desse artigo, .


Comentários
Foto do Usuário Brenno Guedes 09-02-2021 12:50:35

Esta artigo confirma o abismo socioeconômico em que vivemos, onde os mais pobres são menos favorecidos.

Foto do Usuário Anakarinny Dias Melo Tapajós 09-02-2021 12:50:35

O trabalho está bem objetivo e nos resultados mostra que cumpriu o objetivo ao apresentar o perfil sociodemográfico das pessoas que foram a óbito por neoplasia no referido ano. Senti falta, na conclusão, de um posicionamento mais detalhado sobre a importância do trabalho. Sem mais a acrescentar, parabéns pelo trabalho.

O tema é bem relevante e a maneira que foi apresentado é satisfatório.

Foto do Usuário Ana Letícia Ferreira Santos 09-02-2021 12:50:35

O presente estudo demonstra a importância da abordagem de tais temáticas no contexto atual, além de apresentar a grande relevância da pesquisa para a sociedade.