Aplicabilidade da realidade virtual como estratégia fisioterapêutica na doença de Parkinson: uma revisão integrativa da literatura

Temas: Educação Física, Nutrição, Fisioterapia e áreas afins na Gestão, Educação e Promoção da Saúde


Certificado de participação:
Certificado de Juliane Silva Soares

Certificado de publicação:
Certificado de Juliane Silva Soares

Acessos nesse artigo: 2


AUTORIA

Tarcísio Viana Cardoso , Luma Lopes Da Silva , Juliane Silva Soares

ABSTRACT
Trata-se de uma revisão integrativa da literatura com o objetivo de compilar e levantar discussões ante os estudos disponíveis, sobre a aplicabilidade da realidade virtual no tratamento fisioterapêutico de pacientes com doença de Parkinson. As buscas foram realizadas nas bases de dados LILACS, BIREME, SciELO e PEDro, utilizando os descritores em ciências da saúde (DeCS) “Realidade virtual”, “Fisioterapia” e “Parkinson”, intercalados com o operador booleano and. Foram encontrados um total de 73 estudos, sendo que destes, de acordo os critérios de elegibilidade, somente 16 compuseram esse artigo. Os resultados elucidados mostraram-se incipientes e paradoxais no que diz respeito às evidências sobre os efeitos positivos para utilização da realidade virtual como estratégia fisioterapêutica na DP, estreitando alguns obstáculos, tais como o impasse na aquisição desse sistema para admissão da RV em serviços públicos e sua concreta efetividade ao ser associada à fisioterapia. Desse modo, sugere-se que o campo científico seja melhor alimentado e que mais pesquisas com essa temática sejam desenvolvidas.
Palavras-chave: Reabilitação; Degeneração; Tecnologia; Inovação.

Para participar do debate desse artigo, .


Comentários
Foto do Usuário Wellington Sousa Aguiar 09-02-2021 12:50:35

Tema relevante e atual. Gera propostas de novos trabalhos e apresenta a lacuna que ainda existe de conhecimentos nessa área: RV + DP. Parabéns pela iniciativa.

Foto do Usuário Iramara Lima Ribeiro 09-02-2021 12:50:35

O tema é de extrema relevância, haja vista que os portadores de Parkinson apresentam poucas alternativas para o controle dos sintomas e dado o uso crescente de realidades virtuais para tratamento de doenças neurológicas, o que carece de avaliação. No resumo, sugiro escrever o significado de RV (realidade virtual) por extenso para ficar compreensível ao leitor. O estudo contribui para o tema na medida em que traz à luz a discussão sobre a eficácia do uso da realidade virtual, demonstrando que os artigos publicados na área são divergentes e que há necessidade de mais estudos na áreas para se chegar a um consenso sobre a viabilidade do uso da RV em parkisonianos.

O estudo contribui para o tema na medida em que traz à luz a discussão sobre a eficácia do uso da realidade virtual, mostrando que os artigos publicados na área são divergentes e que há uma urgência de mais estudos sobre a temática. Todavia, sugiro apresentar o conceito de realidade virtual, deixando-o mais específico para o leitor.