TRABALHADORES INFORMAIS: ASPECTOS RELACIONADOS A REALIDADE DOS TATUADORES

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Políticas Públicas de Saúde

Acessos neste artigo: 4


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Francisca Joice Souza Silva

ABSTRACT
Introdução: A saúde do trabalhador enfrenta grandes desafios, uma vez que, está atrelado aos aspectos econômicos, políticos e sociais. Nesse aspecto, a informalidade do trabalho ganha mais força, à medida que a organização produtiva é regulada pelo livre mercado. Este estudo justifica-se pela importância de se conhecer a realidade dos trabalhadores informais. A relevância desse trabalho parte da perspectiva de gerar novos conhecimentos para a sociedade acerca dos trabalhadores informais e de seus aspectos e condições de trabalho. Objetivo (s): identificar aspectos relativos à informalidade enfrentados por tatuadores no município de Pau dos Ferros. Método: Trata-se de um estudo qualitativo descritivo, que visa proporcionar conhecimento sobre essa categoria de trabalhadores informais. Resultados: A pesquisa sobre a realidade dos tatuadores evidenciou alguns aspectos de sua relação produtiva. Como: sua carga horária semanal, questões de flexibilidade, relação formal de trabalho, ganho financeiro médio, etc. Sobre os riscos do trabalho foi evidenciado o conhecimento deles de alguns tipos de riscos, doenças a que estão vulneráveis e técnicas de proteção. Além disso, os tatuadores são um grupo de trabalhadores que não estão inseridos com tanta frequência em estudos científicos, sobretudo em relação ao risco que seu trabalho oferece. Como também não tem uma atenção em saúde local voltada para si, ou para saúde do trabalhador de uma forma geral. Os tatuadores, mesmo informais, revelam possuir uma relação eficaz de segurança com os clientes, flexibilização de horários e renda satisfatório. Porém, é notória uma falha na falta de atendimento especifico a esses trabalhadores por parte dos serviços de saúde. Considerações Finais: Logo, é possível perceber fragilidades quanto a sua segurança profissional, econômica e previdenciária; uma vez que ser trabalho não tem remuneração fixa, dependendo de uma demanda variável e muitos não têm direitos previdenciários assegurados, o que os expõem ao risco de desassistência em eventual necessidade. No entanto muitos ainda gostam dessa forma de trabalho pois lhe possibilita ter o controle do tempo e dos meios de produção.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Elidiane Emanueli Ficanha 09-02-2021 12:50:35

Esse resumo nos faz refletir algumas questões que necessitam de atenção especial, como por exemplo, a situação de vulnerabilidade de muitas outras profissões, costureiras, entre outras. Entretanto, senti falta de uma descrição melhor na metodologia (é revisão? foi aplicado questionário?).

Foto do Usuário Daniel Antunes Freitas 09-02-2021 12:50:35

Tema muito interessante para os dias atuais; faz parte daqueles grupos pouco vistos pelas autoridades sanitárias.